Itália – Tão perto do Vaticano


Ao anunciar o voto favorável em Romano Prodi, Nuccio Cusumano, foi brindado por um colega da mesma formação política com cuspidelas e epítetos de «vendido, cornudo, pedaço de merda» e a expulsão sumária. O pequeno partido UDEUR dispunha de três senadores, suficientes para ditarem o destino do Governo Prodi.

Depois de ler o «Times» talvez se compreendam melhor as cuspidelas e os insultos de que foi vítima o senador Cusumano. Segundo o jornal conservador inglês, o Governo italiano pode ter caído sob a influência do Vaticano.

O “Times” escreve que o Vaticano, desagradado com a posição demasiado liberal de Prodi nas questões dos direitos dos homossexuais e na questão do aborto, poderia ter convencido o ex-ministro da Justiça, Clemente Mastella, a retirar o apoio do seu pequeno partido “União dos Democratas pela Europa” à coligação de centro-esquerda, da qual resultou a queda do Governo italiano, colocado em minoria.

Anteriormente, já a imprensa italiana referira que o Vaticano tentava intervir na política. O Governo de Prodi tinha aprovado em Fevereiro do ano passado um projecto de lei que legalizava as uniões civis dos homossexuais.

Berlusconi ficou exultante, como referiu o «Times».

Comentários

e-pá! disse…
As intromissões do Vaticano nos assuntos laicos dos Estados são constantes, repetitivas, despropositadas e quase sempre desproporcionadas.

Não é de espantar que esteja a Igreja por detrás da queda de Roman Prodi. Precisava de continuar o "desagravo" de La Sapienza.
Há demasiados enigmas relativos à demissão o ex-ministro da Justiça, um pio frequentador dos circulos da Cúria e, acrescento, um habitué dos ninhos de corrupção. Esta coincidência é mesmo uma coincidência.

Em Itália especula-se sobre esta aparente intromissão do Vaticano na vida pública.
Voltaram os tempos em que a Igreja através da Democracia Cristã punha e dispunha da política italiana?

Ou, a Igreja imersa ainda no mar de escândalos que varreram a Democracia Cristã do mapa político, enfeudou-se agora à saga neo-conservadora e ultra-nacionalista de 'Il Cavaliere'?

Estará Silvio já contratado para proferir, na Basílica, a próxima homilia pascal ou uma especial acção de graças?
Vítor Ramalho disse…
Se o Vaticano o fez e pelo motivo apresentado tem todo o meu apoio.
Combater a estupidez de legalizar a união homossexual é um dever de todo o homem de bem.
Por cá é que dava jeito e agora que os primeiros andam a enrolar-se com colunáveis, teríamos de esperar a visita do Elton John ou do George Michel.
CA disse…
Quando umpaís anda pelas ruas da instabilidade política, qualquer coisa provoca mudanças rápidas. Já não se lembram do tempo que em Portugal a "estabilidade" era paga em queijos?
jrd disse…
Diria antes: "Vaticano - Tão perto de Itália"...
(que até incomoda.Chega para lá!)

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita