Momento de poesia

Onde está o teu afecto?


Corro o tempo
a contar a distância
que nos separa.
Não a meço em metros
ou em milhas
mas em afectos
daqueles que não me dás
e eu mendigo.

Meço a distância
de um ao outro
entre o que avança
e o que recua
entre uns lábios
que se oferecem
e uma boca que se recusa.

¿ E o corpo,
quando está tenso,
aberto ao corisco do desejo,
e que não encontra no teu
o aconchego esperado,
porque tu o escondes
do meu olhar,
já magoado
por não o poder tocar
e por tu não te deixares por mim amar?

Alexandre de Castro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975