Momento de poesia

Tortura

A todos aqueles que heroicamente
suportaram os horrores da PIDE


Não! Não me apontem ao peito
as lanças do medo!
Prefiro morrer no lodo de uma sarjeta
do que esfaquear a esperança
que me alimenta a fome de viver!

Se for preciso
para calar a dor
eu grito ...
Se for preciso
vazar-me de raiva
eu volto a gritar...
Mas em caso algum
sairei do meu espaço
para viver na cloaca
do vosso subterrâneo!

Não me façam esperar as noites de espanto
que eu não falo ...
Não ladrem raivosos os latidos do medo
que eu não digo ...
Não dancem à minha volta de punhos soltos,
nem fiquem parados a olhar
a sombra da minha estátua de carne viva
que eu não sinto os chocalhos do vosso riso!...

Estou de pé do lado de lá
(as grades da prisão não amarram o meu sonho
nem as vossas garras seguram o meu querer)
na companhia dorida de companheiros distantes
que esperam de mim a boca muda do silêncio
e a força tenaz que um dia vos vencerá ...

Já não tenho carne nem ossos para moer,
nem sangue para verter ...
Agora, sou o granito duro e firme do vosso desespero
de não me verem sofrer!...

Alexandre de Castro
Lisboa, Março de 1985 - Registado: IGAC/MC- 5467/2004
Publicado na Seara Nova, Nº 1691 – Primavera 2005 - pag. 54

Comentários

Tonecas Melga disse…
Gostei.
Vou recitá-lo neste 25 de Abril.
Anónimo disse…
Como nesta vida tudo se repete. O poema, presentemente, tem todo o cabimento em vários locais de trabalho e nas relações existentes entre patrões e empregados.
Oh se tem!!!
ahp disse…
Não sabia que havia patrões que torturavam os empregados. Mas se tal acontece, porque não chamam a polícia? A tortura agora é crime!
Anónimo disse…
Tortura psicológica, pois claro. E não vale a pena chamar a polícia porque o patrão, ele mesmo, sabe fazer o serviço que é piorar ainda mais as coisas ou mandar o empregado para o olho da rua.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita