Terrorismo islâmico

O desmantelamento de uma célula de presumíveis terroristas islâmicos em Barcelona é uma boa notícia mas aumenta a perplexidade perante a capacidade e determinação dos suicidas islâmicos. Sábado, o jornal El Pais noticiou que Portugal, França, Reino Unido e Espanha foram alertados pela secreta espanhola para riscos de atentados durante o périplo europeu do presidente Musharraf, do Paquistão, iniciado em Bruxelas.

O respeito pelos islamitas inocentes e por muitos outros que o terror religioso impede de abjurar, obriga ao comedimento de quem sabe que é fácil atear ódios, despertar emoções racistas e incitar à xenofobia. É, pois, inaceitável que ao terror islâmico se replique com a suspensão do Estado de direito ou o aligeiramento das normas democráticas.

A Europa está, neste caso do terrorismo religioso, a responder de forma irrepreensível e é bom recordar que o que os árabes (maioritariamente muçulmanos) mais apreciam na Europa é a liberdade religiosa. Mas não se pode desprezar o conteúdo do Corão e a conduta dos pregadores do ódio que usam as mesquitas como campos de doutrinação terrorista e os sermões como veículo de fanatização.

A Europa conhece o que sofreu, no passado, com as lutas religiosas de que os dirigentes políticos actuais parecem andar esquecidos, capazes de trocar por um punhado de votos a laicidade que permitiu conter o proselitismo das diversas religiões. Essa cumplicidade está na origem de mentiras que atribuem objectivos de paz às religiões e aos seus crimes meros desvios de radicais dementes.

Ora isso não é verdade. O que Bento XVI disse de Maomé, através de uma citação, em Ratisbona, era pura verdade embora dita por quem lhe minguava autoridade.

Esquecer que o Corão, um plágio grosseiro dos mitos judeus e cristãos, servido por uma ideologia guerreira, é incapaz de renunciar à tortura e à censura – práticas de que judeus e cristãos há muito se privam –, é alimentar um mito politicamente correcto e perigoso.

Basta ver o júbilo pio da rua islâmica sempre que alguns infiéis explodem na companhia de um suicida que julga ter 70 virgens à espera no Paraíso, numa ânsia de deboche para que a repressão sexual o impele. Fantasias de santas alimárias que não imaginam que as virgens prometidas pelos mullahs não passam de um erro de tradução.

Matam e morrem por umas «passas de uvas brancas doces».

Comentários

Zaratustra disse…
A religião é a causa da ignorância. as explicações simplistas e monistas do mundo levam a estes disparates e a este sofrimento. Só a razão pode libertar o Homem.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975