Momento de poesia


Vaidade

Quando eu me resolver
A morrer
Faço questão
De ir para a cova,
De jaquetão
E de gravata nova.

Lencinho branco ao peito,
Posto com jeito.
Camisa bem engomada,
Sapato preto, a luzir,
Barba feita, escanhoada…
Que elegante que eu hei-de ir!

A enfeitar a carreta,
Que predomine o cravo e a violeta,
Em raminhos pequenos.
E flores artificiais,
Que cheiram menos,
Mas duram muito mais…
Armando Moradas Ferreira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita