Espanha - A Igreja católica e o franquismo

O pedido de desculpa dos bispos bascos, mais de sessenta anos depois, pelo silêncio da Igreja sobre a morte de 14 sacerdotes, no tempo de Franco, é, apesar de tudo, um acto de coragem e dignidade de bispos de hoje a contrastar com a cobardia e conivência dos bispos franquistas.

A delirante febre do Vaticano em canonizar as vítimas do lado franquista fica em xeque. Confirma a deriva fascista do Vaticano que beatificou e canonizou centenas de vítimas do lado sedicioso e desprezou e ocultou os clérigos que apoiaram o governo legal.

A execução de 14 padres durante a Guerra Civil Espanhola ((1939-45) pelas forças do general Francisco Franco foi um acto rotineiro de quem assassinou centenas de milhares de espanhóis como retaliação pelo apoio ou simples suspeita de simpatia pelo Governo republicano, democraticamente eleito.

Quem conhece um pouco da guerra civil espanhola e da violência que emergiu dos dois lados da barricada sabe que não houve anjos em qualquer dos lados. A crueldade foi o traço comum a republicanos e franquistas. Também por isso, o Vaticano escusava de ter retomado, pela via das canonizações, a manifestação de apoio que as ditaduras fascistas sempre lhe mereceram.

Monsenhor Esvrivà foi em vida um fervoroso apoiante de Franco, o que não o impediu de ser canonizado com três excelentes milagres que obrou cadáver. Estes 14 sacerdotes morreram do lado errado e nunca farão milagres. Não podem aspirar à santidade e hão-de contentar-se com a inútil missa que o remorso dos bispos lhes consagrou, enquanto o Papa os ignora e procura o piedoso entendimento com os sequazes do bispo Lefebvre.

É nestas alturas que nos recordamos do bairro de 44 hectares, obra de Mussolini, criado pelos acordos de Latrão. O actual Papa está à altura da tradição.

Comentários

Anónimo disse…
Devemos nos lembrar tambem dos padres palotinos e freiras francesas mortos pela ditadura argentina. Devemos nos lembrar tambem do bispo Oscar Romera e das freiras dos EUA assassinados pela ditadura salvadorenha.
Detalhe1:a ICAR não se revoltou com estes assassinatos.
Detalhe2: Nenhum destes assassinados foi BEATIFICADO pela ICAR, pois lutaram pelo "lado errado"
Anónimo disse…
a ICAR poderia beatificar o Pe. Tiso, o santo presidente eslovaco. Ele foi injustamente enforcado em 1947 pelas autoridades checoslovacas....

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

Notas sobre a crise venezuelana…