Autárquicas - Madeira


«Temos de ganhar todas as câmaras para que o inimigo não entre dentro desta fortaleza, temos de ganhar todas as câmaras para que o adversário não possa, no território da Madeira, nos meter facas nas costas».

(Alberto João Jardim (PSD/Madeira) in «Voz dos líderes», pg.8 - Diário as Beiras, hoje).

«O carro do candidato do PS à Câmara de S. Vicente ardeu durante a madrugada de 5.ª para 6.ª-feira. Temendo os efeitos do caso, Alberto João Jardim solicitou a «urgente intervenção da Judiciária» para «evitar qualquer exploração eleitoralista e suspeita do facto». As investigações preliminares apontam para crime.

(Expresso, 1.ª página, hoje)

Comentários

cãorafeiro disse…
na madeira, metade da população está bem instalada graças à enorme rede de tachos que o polvo instalado no aparelho do governo regional fornece.

a outra metade vive na miséria, e fica muito contentinha por o alberto joão ir lá à terra inaugurar qualquer coisita e dizer umas bacoradas.

a intimidação cala quem não concorda. os poucos que demonstram a sua indignação são perseguidos de muitas formas.

as dívidas do governo reginal à banca, ninguém sabe até onde vão.

as pessoas do continente que lá se deslocam a trabalho são tratadas com desconfiança e mesmo desprezo.

não compreendo porquê que ainda não surgiu nenhum trabalho sério que desmontasse a forma como a democracia foi usurpada na madeira.

e sobretudo não compreendo por que razão a classe política se deixa intimidar pelo ditador madeirense.
Geosapiens disse…
...mas alguma vez alguém suspeitará do PPD/PSD da Madeira...sobre o carro...
...ainda para mais quando só as palavras já incendiaram muito direitos...tais como muitos deveres...esse senhor...deveria era pegar num extintor cada vez que fala...
Anónimo disse…
as pessoas do continente que lá se deslocam a trabalho são tratadas com desconfiança e mesmo desprezo. -é mentira, pá
Anónimo disse…
This is very interesting site... shipping ink cartridges Pilates descuento

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime