Outra citação

Alberto João Jardim

«A boçalidade jardinista não tem limites. Dá instruções a um jornal sobre o que deve publicar, insulta seja quem for que o critique. É um verdadeiro entorse no regime democrático».

Eduardo Dâmaso in SOBEEDESCE Diário de Notícias, hoje.

Se fosse do PS já se teria pedido a demissão do secretário-geral por não o meter na ordem.

Comentários

Anónimo disse…
In Correio da Manhã, de 5 de Outubro de 2005

Mesquita notificado

A direcção de Finanças de Braga disse que notificou a Câmara Municipal por fraude fiscal devido a falhas no pagamento de IVA, mas o autarca Mesquita Machado negou e afirmou que é o Estado quem deve mais de cinco milhões de euros à autarquia.

Viva o Estado socialista! Viva Mesquita Machado!
Anónimo disse…
"Houvessem os Franceses desenvolvido os germes de democracia da Idade Média, com as assembleias locais, o voto dos impostos, a existência do júri, assim como o gosto da acção individual e da associação livre, e não teriam conhecido, para seu benefício, nem a monarquia absoluta, nem a orgia do Terrorismo, nem ainda, o que pior é, a persistência anarquizadora da sugestão jacobinista. Não faltaram sensatas tentativas de reformação pacífica e verdadeira que a impulsividade dos fanáticos fez baldar".
E depois ainda dizem que o homem não produziu pensamento político.
Anónimo disse…
É tão interessante a história do hoje socialista Diário de Notícias. José Sócrates é um anjo e Carlos Esperança um idealista. Sem dúvida que o primeiro (mudo como um pato) é muito perigoso e mutante. Já o segundo é um inofensivo, que ninguém leva a sério.
Anónimo disse…
Pois é. Parce que só a direita pode produzir e reproduzir "patriotas" deste jaez.
Fosse ele socialista, constituiría um afrontoso perigo para a democracia num país europeu civilizado.

Assim é só uma figura (triste) do anedotário nacional.
Anónimo disse…
A Fátima Felgueiras, posta nos píncaros pelos narcisos e coelhos deste país, e que por acaso é socialista, constitui de facto um afrontoso perigo para a democracia num país europeu civilizado.

É uma figura triste do anedotário nacional.
Anónimo disse…
A Fátima Felgueiras, posta nos píncaros pelos narcisos e coelhos deste país, e que por acaso é socialista, constitui de facto um afrontoso perigo para a democracia num país europeu civilizado.

É uma figura triste do anedotário nacional.
Anónimo disse…
Com a devida vénia, reproduzimos do Jornal de Negócios de 30 de Setembro de 2005

A desavença (de Baptista Bastos)

Segundo o pentagrama de Maquiavel, em política não há moral, não há gratidão, não há amizade, não há escrúpulos, não há carácter. Entre nós, estes conceitos foram absorvidos até à exaustão. Uma habilidosa acumulação das propostas do conselheiro do Príncipe tornou-se, em Portugal, num exercício particularmente esmerado – e, visivelmente, compensador.
Segundo o pentagrama de Maquiavel, em política não há moral, não há gratidão, não há amizade, não há escrúpulos, não há carácter. Entre nós, estes conceitos foram absorvidos até à exaustão. Uma habilidosa acumulação das propostas do conselheiro do Príncipe tornou-se, em Portugal, num exercício particularmente esmerado – e, visivelmente, compensador.

A honestidade, a integridade, a rectidão são consideradas anacronismos e, ocasionalmente, premiadas. A honra pode, de um momento para o outro, converter-se num gravíssimo delito. Afobadas, as pessoas correm de um lado para o outro, traem, praticam as tropelias mais soezes, constituem-se em uma espécie de seitas que, mesmo assim, se entredevoram.

A quezília, para ainda não dizer: a desavença entre Alegre e Soares e Soares e Alegre ilustra, violentamente, o retrato da sociedade portuguesa actual. Deixa muita gente perplexa pelos silêncios, pelas omissões e, sobretudo, pela inexplicável carência de um entendimento mais livre e menos académico, justificável pela natureza das relações que envolvia os dois homens.

A ferida aberta em ambos não cicatrizará, até porque nada naquela amizade, pública e reiteradamente expressa, sugeria artifício, oportunismo ou malícia. Há, neste triste imbróglio, um responsável nuclear: José Sócrates, cujo comportamento prescinde da criação ou da invenção de adjectivos: o seu comportamento integra-se no pentagrama de Maquiavel. O homem detesta tanto Alegre quanto Soares. Prefere Cavaco. Está mais na sua linha de conta. Insistia obsessivamente em Guterres, sabendo que o empurrava para uma derrota humilhante. O eleitor pode ser leviano e imprevisível; porém, nisto de António Guterres – nem o retrato do cavalheiro quer ver. Fugiu a sete pés quando foi preciso resolver e decidir. Ninguém lhe perdoa. Agora, anda pelo mundo a espalhar fé, esperança e caridade.

A seguir, emergiram os nomes de outros putativos candidatos: o génio da garrafa, dito António Vitorino, e, até, o ditoso socialista Diogo Freitas do Amaral. A tramóia parecia colher efeitos generosos. Nada disso. A desconfiança generalizou-se e o alvoroço atingiu graves e austeros comentadores do óbvio, tais como o moroso democrata José Carlos de Vasconcelos, cujos textos são seráficos baptismos do inefável.

A Esquerda está exaurida! A Esquerda não possui candidato credível! A Esquerda já não é! As fogosas exclamações correspondiam a verdadeiro e comovido carinho dos editorialistas. Em almoços íntimos, amistosos, sorridentes e singelos, grupos de conspiradores, inclinados para um cozido à portuguesa, no Solar dos Presuntos, ou para uma açorda de cação, no Solar do Nunes, deglutiam as iguarias e ponderavam acerca do elevado problema – entre um discreto arroto e um jubiloso gole de Pêra Manca.

Evangelizavam a situação, assaltados pelo penoso sentimento de que o imortal Cavaco Silva era imbatível, inexorável e inevitável. Já o escrevi; repito: A amigos de peito, Soares confessou-se preocupado com as perspectivas. O verdete nada furtivo e jamais atenuado pelo homem que veio de Boliqueime, deixava-o, com o passar dos dias, num estado de irritação, acrescido pelo silêncio do "outro". Eis o que o fez mover, após manifestar surpresa pelas ambiguidades das proclamações "do Manel".

Nenhum dos candidatos, nenhum, aporta algo de novo ao discurso político e ideológico. Se a idade de Soares serve de solfejo a trompetistas da Direita, a verdade é que Cavaco não é nenhum bebé Nestlé, nem Alegre, nem Jerónimo ou mesmo Louçã são embalados pelos donaires da mocidade. De uma forma ou de outra, eles renunciaram às virtudes éticas da verdade, favorecendo as estratégias dos interesses momentâneos.

Evidentemente, o caso mais doloroso é aquele que mais salta à vista. Em nome de quê, e por quem, uma amizade foi destruída? Lá vem o Maquiavel a explicar e, até, a justificar. Valeu a pena? Este exemplo, respaldado em razões que se me afiguram absurdas, corresponde ao estado moral do Portugal dos nossos dias. Não me concilio com nenhum dos presentes – e muito menos com o falso ausente.

A demonstração desta pública borrasca entre dois amigos caracteriza uma derrota que se não divide entre ideologias. À Direita e à Esquerda, o sentimento de repulsa não se tolda em declinações de cinismo. Quando falo em Direita, falo naqueles que, em seu nome, defendem valores, princípios e padrões – o mesmo aplicando à Esquerda. Sem carregar no maniqueísmo que tem mantido a dicotomia segundo a qual eu sou melhor do que aqueloutro.
Anónimo disse…
E ainda dizem que não é bom ter conhecimentos económicos. Jorge Coelho, a fazer fé no sítio da candidatura de João Soares, deve ser o primeiro licenciado em Gestão de Empresa (sic) em Portugal que exerce a profissão - pasme-se! - de economista. Ele há cada uma...


Jorge Paulo Sacadura Almeida Coelho
jcoelho@puxarporsintra.com

Nasceu em 17 de Julho de 1954. Residente na freguesia de São Pedro de Penaferrim, em Sintra.
Licenciado em Gestão de Empresa é economista de profissão.
Eleito Deputado à Assembleia da República na X Legislatura.
Desempenha no Partido Socialista a Coordenação da Comissão Permanente. É membro do Secretariado Nacional do PS e Coordenador Autárquico.
Comentador Político nos principais órgãos de comunicação social.
Consultor e Administrador.
Ao longo da sua vida já exerceu diversos cargos que revelam a qualidade da sua participação cívica e política, nomeadamente, foi eleito Deputado à Assembleia da República na V, VIII e IX Legislatura, Membro do Conselho de Estado, Presidente da Assembleia Municipal de Oeiras, Membro da Comissão Política do PS, Membro do Governo de Macau, Secretário Geral da Carris e Ministro do Governo da República, em diversas pastas.
Anónimo disse…
O CE já não responde, vocifera.
Anónimo disse…
Very nice site! » » »

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime