Crianças maltratadas - vergonha nacional

«No quadro dos 27 países mais ricos do mundo, Portugal apresenta a maior taxa anual de mortes de menores de 15 anos» - Jornal de Notícias de 15/03/2006

«Segundo dados da Associação de Apoio à Vítima (APAV), em cada dois dias uma criança foi vítima de maus tratos em Portugal, em 2005, e uma em cada quatro tinha menos de três anos de idade».

A brandura dos nossos costumes, alegada por um ditador cruel, aí está na forma como se maltratam crianças, na brutalidade com que os pais descarregam as frustrações sobre os filhos, no alcoolismo, na miséria e ignorância que faz das crianças vítimas e futuros adultos que repetem a desumanidade que as moldou.

Como é possível, mais de três décadas depois de Abril, que as crianças sejam vítimas de quem nunca devia ter sido progenitor, de débeis e malfeitores para quem os filhos são fonte de rendimento e alvo das frustrações?

No silêncio cúmplice ou receoso do lar, velhos demónios da submissão pela violência, tomada como método educativo, vivem os filhos de homens que se tornarão pais iguais, se lá chegarem.

Nota – Há três semanas que pretendia comentar esta notícia. Seria injusto ignorá-la.

Comentários

Anónimo disse…
Tolere-me V. o sarcasmo, aparentemente deslocado neste contexto. É que, além da mitologia dos "brandos costumes", que joga a nosso favor, outra coisa tem sido de grande utilidade para as nossas criancinhas. É o facto de o nosso povo haver sido, '...entre todos escolhido/para povo do senhor." Está toda neste rodriguinho místico, a razão da nossa atávica moleza perante a simonia, o amiguismo, o compadrio! Criaram-nos assim. E enquanto houver portugueses...
Anónimo disse…
jagudi:
Aceite as minha homenagens ao comentário.

É como diz. E há tão poucos que saibam o que é a simonia!
Anónimo disse…
Ontem, num seminário sobre este tema, deixei uma sugestão: faça-se ampla divulgação do direitos das crianças. Podia-se começar por distribui-los nas maternidades, em forma de folheto ou impressos nas certidões de registo de nascimento, entre outros documentos.
Devia-se fazer uma campanha forte com uma mensagem simples: os pais não são "donos" dos filhos. São responsáveis pelas suas vidas.

A barbárie e o espírito predador são intoleráveis, no século XXI.
Anónimo disse…
Aplausos para este post !!!!!!
Inocente, pensei que a liberdade e a democracia levassem à educação e ao fim da grunhice ... Que erro ! Apenas se pode dizer que continua e persiste. E as crianças ? É que não têm mesmo culpa de nada ...
Anónimo disse…
Desanimado:
É preciso termos cuidado antes de desanimar! Neste aspecto, como em todos, uma coisa são as causas necessárias, e outra coisa são as causas suficientes.
A "liberdade" e a "democracia" são causas necessárias (INDISPENSÁVEIS) para que haja "educação e o fim da grunhice". Mas não são, desgraçadamente, causas suficientes. Só por si, não fazem o milagre. E nós vamos agora, por esse pouco, deixar de acreditar em milagres?
"Caminante, no hay camino/Se hace camino al andar"!

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime