O feitiço virou-se contra o feiticeiro

A lei eleitoral imposta por Berlusconi, a meia dúzia de meses das eleições, através de um prémio à maioria, transformou uma diferença de 25 224 votos, num conjunto de 38 milhões de votantes no interior de Itália, em mais 63 lugares na Câmara de Deputados.

Berlusconi perdeu à tangente mas Bush sofreu uma pesada derrota com a decisão de Prodi de mandar regressar as forças italianas estacionadas no Iraque.

Comentários

Anónimo disse…
A verdade é que os italianos me ajudaram a considerar bem melhor o bom povo português! Afinal ainda existem povos bem piores que nós - aqueles que são capazes de votar em alguém como Berlusconi!!!
Registei com muito agrado mais um rombo na coligação bélica. A boa notícia referida por Prodi que vai mandar regressar as forças italianas estacionadas na barbárie do Iraque. Bem vinda Itália, à Civilização.
Anónimo disse…
J.V.

Durão Barroso, o outro cúmpice, apressou-se a consolar Berlusconi e a agradecer-lhe o que fez pela Itália e pela Europa.
Anónimo disse…
Alvíssaras, capitão/meu capitão general...
...E a mais bela delas todas/contigo a hei-de casar!
Porra, CE! Já não era sem tempo, dar-nos um post destes!
Anónimo disse…
J.V.: «A verdade é que os italianos me ajudaram a considerar bem melhor o bom povo português!»

É porque nunca estiveste em Itália!! Aquilo lá está a milhões de anos luz daqui da nossa pasmaceira... e olha que não exagero!

Vê o tamanho dos edifícios e compara-os com os nossos, vê a qualidade das autoestradas e compara-as com as nossas, vê quantos italianos têm segunda casa e compara com os nossos... e muitos outros exemplos podiam ser dados.
«Bem vinda Itália, à Civilização». !!!!
Não sabes o que dizes.
A Itália saiu da completa arbitrariedade para a Democracia.

Saíu do grande poder do dinheiro e da compra de votos para a "normalidade" democrática.

Por isso benvinda Itália à comunidade dos que podem pensar de forma individual, embora em desacordo.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?