Repressão politicamente correcta


Depois da investida contra os fumadores, aproveitando a onda de intolerância que grassa na Europa e nos EUA, chegou a vez do vinho, que um ditador, beato e rural, dizia dar de comer a um milhão de portugueses.

Para gozo de Maomé, em país dito cristão, e gáudio dos autóctones, o Governo pretende impor aos condutores um limite inferior a 0,49 grs. de álcool por litro de sangue quando o habitual era determinar a quantidade de sangue por litro de álcool.

A avaliar pelo apoio da comunicação social indígena, não me atrevo sequer a discordar da proibição de um copo de três a um condutor, em nome da segurança rodoviária.

Para não destoar do entusiasmo que grassa na paróquia, e querendo dar o meu contributo para a segurança rodoviária, sugiro a aplicação da lei seca, com a vantagem de ser extensiva aos peões que, sob o efeito do álcool, estão mais sujeitos a desequilibrar-se e a serem atropelados.

Mas que dizer do efeito demolidor de uma feijoada à transmontana a servir de lastro no bojo de um condutor numa tarde cálida de Verão? Ou do pós-prandial de um cozido à portuguesa? Ou do quilo produzido por um arroz de lampreia, enquanto houver ciclóstomo? E das consequências nefastas de uma noite de estúrdia na condução, de madrugada?

Para quando as medidas repressivas que se impõem?

Se, depois deste zelo, a sinistralidade rodoviária se mantiver, só há um meio eficaz para eliminá-la – reduzir a zero a velocidade. Este método só tem o inconveniente de conduzir a um paradoxo, não conduzir, ou, dito de outro modo, obrigar as pessoas a andarem paradas.

Mas resulta, tenho a certeza.

Comentários

Anónimo disse…
Já está a ser dificil acompanhar a velocidade do governo, se nos tiram o tinto, o Portugal cinzento fica...
branco ?
Anónimo disse…
Portugal é um país de bebedos e ignorantes sem auto-estima
O Senhor é bebedo! ou ignorante ?
Os ignorantes, apesar de não haver máquina que os detecte, serão talvez tão perigosos quanto os bebedos !
Anónimo disse…
talvez adiar a idade de condução para os 21 anos também ajudasse.
além disso, os carros podiam ser equipados com dispositivos de reconhecimento de bêbedos ao volante, para desse modo impedir o seu funcionamento...
é uma desgraça, já moreeu mais gente nas estradas desde 74 do que em 15 anos de guerra em África...
Anónimo disse…
Este post pareceu-me conter um discurso de quem está contra medidas a favor de uma desalcoolização dos condutores ... é preocupante !
Anónimo disse…
desanimado:

Parece-me suficiente a lei que temos e insuficiente o seu cumprimento.

Sou contra os radicalismos...mesmo no álcool.

Sou contra a lei seca e penso, até prova em contrário, que até 0,5g/l não é o álcool o responsável pelos acidentes.

Diariamente são apanhados condutores em transgressão, prova de que a actual lei não é cumprida.

Primeiro façamos cumprir esta e, depois, veremos.
Anónimo disse…
best regards, nice info » »
Anónimo disse…
Excellent, love it! » » »

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime