Espaço dos leitores


(Ponte Europa/Pitecos - Zédalmeida)

Comentários

Anónimo disse…
Aproveito o espaço para regressar ao tema "Casa do Gaiato" e referir que quem conhece a obra sabe da constante luta que a mesma tem travado contra a falta de preparação humana de assistentes sociais e juízes para lidar com os difíceis casos de crianças abandonadas. Excessos á parte, porquê condenar um pai em tribunal por ter inflingido num momento de menor paciência um estalo a seu filho? Todos nós fomos vitimas alguma vez destas situações e os nossos filhos, infelizmente, também! Há uma forte hipocrisia social em tudo o que rodeia este tipo de comportamentos, sendo que no caso particular da Casa do Gaiato é elevada pela sua ligação á Igreja. Os Padres também são homens. Todavia, não quero com estas palavras branquear qualquer tipo de comportamento excessivo por parte de quem comanda os destinos destas instituições.
Mano 69 disse…
«Aproveito o espaço para regressar ao tema "Casa do Gaiato" e referir que quem conhece a obra sabe da constante luta que a mesma tem travado contra a falta de preparação humana de assistentes sociais e juízes para lidar com os difíceis casos de crianças abandonadas.»

A partir de agora só pode ser assistente social e juiz quem for pai de família (não, não tem que ser benfiquista) ou seja, tem que ter filhos!
O que o anónimo? devia querer dizer é que a falta de assistente sociais, psicólogos, técnico profissionais (monitores) deviam ser integrados nas Casas do Gaiato, conjugada por uma direcção técnica capaz e profissional que poderia, e devia, integrar um sacerdote dado que a instituição pertence à igreja.
Anónimo disse…
Então vamos à "Casa do Gaiato".
Estou completamente de acordo com escrito pelo Mano69.

A atitude "musculada" do sacerdote é a certeza de que nada de bom no aspecto educativo se pode esperar da dita instituição se não houver mudanças, pelo menos, da direcção pedagógica.
Lidar com crianças e adolescentes com profundos problemas educativos e preparar-lhes uma inserção social
adequada, que me desculpem os catolicos, não é uma área da competência dos sacerdotes. Existem pelo País técnicos credenciados para o efeito, ao que julgo, alguns no desemprego.
O Estado deve apoiar instituições do género da "Casa do Gaiato" e outras com os mesmos objectivos. Simultâneamente deve exigir que essas instituições tenham boas condições humanas, de equipamento e instalações.
Caso contrário, poderemos de ter de passar pela vergonha de voltar a ouvir e a ler declarações como as produzidas pelo responsável pela Oficina de S. José, acerca do assassínio da Gisberta.
Nessa altura questionei-me sobre o caminho dessas instituições e, mais, sobre a validade do investimento público nesses projectos.
Anónimo disse…
é-pá:
Assim sendo, e no sentido de salvaguardar a educação do meu filho, vou ponderar entregar o meu papel de pai a um desses "técnicos credenciados no desemprego".
Não queira comparar a experiência humana de pessoas como o Padre Acilio aos conhecimentos teóricos do melhor tecnico licenciado que possa conhecer. E esqueça que ele é Sacerdote porque ele está lá como Pai!
Anónimo disse…
anomino das Jun 13, 06:36:02 PM

estava escrito no comentário "crianças e adolescentes com profundos problemas educativos".
A sserção de que isso era entregar o papel de pai a alguém é pura dilação.

Aliás, a chamada da figura do "pai" a este assunto faz parte da habitual demagogia que tendenciosamente infecta e conspurca o bem pensar e aberto dialogar sobre questões sérias.

Com certeza que o padre Acílio Fernandes é legitimamente o director-geral da "Casa do Gaiato", já que esta instituição pertence à Igreja. É, portanto, um administrador.
Estavamos a falar de questões educativas e de inserção social.
Para essas funções existem técnicos, credenciados. Por quem tem poder para credenciar.
Esses técnicos devem ter responsabildades pedagógicas e na área da reabilitação social. É isso que reafirmo.

O qualificativo de pai ao sacerdote Acílio, é uma figura de retórica porque, se fosse mesmo verdade, o mesmo tinha contas a ajustar com a Igreja.
Os "petit nom" são uma arma de 2 gumes. São manifestações do quotidiano afectivo (importantes), ou são jocosas (alcunhas) ou perjurativas (a mafia designava os seu chefe de "padrinho" -substituto do pai)...

Estamos a falar de crianças e adolescentes, em grande parte, sem pai.
Se alinhasse na sua demagogia diria que os pais são insubstituíveis...
O que sendo lógico não é totalmente verdade.
Anónimo disse…
O padre Acílio Fernandes, várias vezes acusado de maus-tratos, julgado e absolvido em numerosos processos, acabou por ser condenado na sequência de acusações provadas.

Inibido judicialmente de exercer funções de natureza disciplinar na Casa de Setúbal, por sentença transitada em julgado, foi transferido para a Casa do Gaiato de Paço de Sousa (Penafiel).

E..., pasme-se, foi ainda nomeado director Nacional da Obra da Rua.

O facto de agredir uma criança, enquanto negava tais acusações à comunicação social, revela a incapacidade de controlar-se.
Anónimo disse…
é-pá:
Sem qualquer tipo de ironia e á parte do tema "Casa do Gaiato" queria referir que gostei da sua frase "o que sendo lógico não é totalmente verdade" porque acho que muitas das manifestações de desagrado, algumas das quais chegam mesmo a transformar-se em revolta, são sustentadas nessa mesma lógica, baseada no senso comum e desprovida de verdade.

Ao Carlos Esperança queria perguntar, em jeito de provocação, se os juízes que julgaram o Padre Acilio não terão sido os mesmos a deram seguimento á providência cautelar imposta sobre o fecho das maternidades.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime