Uma questão de honra


«Esta manhã uma delegação australiana esteve em Lisboa e tentou convencer o Governo português a deixar que os militares da GNR, em Timor, fiquem sob o comando australiano.

Desde o início que manifestou a intenção de coordenar no terreno os militares da GNR.

Mas Portugal não aceita que os militares portugueses sejam comandados por estrangeiros».

Nota: Esta postura é bem diferente da que foi tomada no Iraque.

Comentários

Anónimo disse…
Há ainda muita poeirada no ar, nesta questão de Timor. E convirá previamente identificar com alguma clareza o que é que está em jogo.
Parece indiscutível a clivagem entre Alkatiri, por um lado, e Xanana, a Igreja (e Horta?) por outro.
Alkatiri terá sido (?) um bom defensor dos interesses timorenses, na discussão do petróleo. Daí ter-se tornado figura pouco grata para a Austrália.
Para a Igreja, já o não era há muito.
O campo dos 'rebeldes' também parece claro, já se encontraram com os austrálios e opõem-se a Alkatiri. O que é estranho, se Alkatiri defendeu no petróleo interesses patrióticos.
A GNR no meio disto, posta às ordens do Presidente e do Primeiro-Ministro... não pode ser doutro modo, mas parece uma contradição. Vamos lá ver se não há bronca grossa.
Sei que é politicamente incorrecto dizê-lo, mas não me parece que estas farroncas de soberania do Freitas facilitem seja o que for, na solução do problema. Desde logo pela distância e pela logística. E porque afinal não se trata duma força propriamente militar, com funções militares explícitas.
Terá o Freitas dados que o levam assim a afrontar e a negar a pretensão da Austrália?
Pessoalmente, manifestações nacionalistas de papel comovem-me pouco. E interessam-me ainda menos.
Anónimo disse…
O arremedo "nacionalista" de Freitas do Amaral volta a pôr na ordem do
dia a questão da intervenção militar estrangeira em Timor ou, se quisermos ser mais abrangentes, em qualquer País.
Continuo convicto que as missões militares ou militarizadas(Portugal e outros)que foram enviadas para Timor, salvo o devido respeito pelos orgãos de soberania desse País que o solicitaram, deviam ter o aval da ONU e estar sob um comando unificado (nomeado pela dita organização).
As intervenções militares em territórios estrangeiros necessitam (deviam necessitar)deste suporte político militar, em conformidade com o direito internacional. Não foi esta uma das questões que foi colocada (batalhada)pela comunidade internacional a quando da intervenção anglo-yankee no Iraque?
Convém mantermo-nos coerentes.
Depois há outro problema: os governantes de qualquer País (não estou a referir-me concretamente a Timor) que estejam sob pressão popular podem socorrer-se do apoio de forças militares "amigas" para consolidarem o poder?
E se for o caso de um déspota?
Vale a pena ter presente, p. exº., o caso da Guiné entre Nino Vieira e Assumane Mané. O pedido de auxílio militar à Guiné Connakri foi politicamente fatal para Nino, embora, no imediato, o tivessem ajudado a resistir à contestação interna.
Recuando mais na História, as intervenções militares da URSS na Hungria e Checoslováquia ou a dos EUA em Granada, p. exº, não provocaram o repúdio da comunidade internacional e descredibilizaram os interventores?
As relações internacionais a todos os níveis, sejam políticas, militares ou económicas, devem ser regidas por princípios consagrados no direito internacional e respectivos tratados.
A situação em Timor das forças estrangeiras pode gerar problemas para elas próprias e para o poder político timorense.
É que as motivações são díspares e, convenhamos, mais que muitas...
Anónimo disse…
deviam era estar quietinhos ...
Anónimo disse…
e pergunto porque não v~emos os GNR tão voluntariosos aqui em Portugal ...
Anónimo disse…
Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»
Anónimo disse…
Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»
Anónimo disse…
Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»
Anónimo disse…
Where did you find it? Interesting read film editing classes

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime