A morte em Guantánamo



Guantanamo Bay Camp X-Ray www.spiegel.de

«Los familiares de los tres prisioneros que aparecieron muertos el 10 de junio en Guantánamo denunciaron que los cuerpos presentan marcas de golpizas y torturas y que los forenses estadounidenses les sacaron varios organos.

Mohammed Al Oteibi, tío del saudita Manea Al Oteibi, afirmó que el cadáver de su sobrino presenta "manchas negras en los brazos" y hematomas en diversas partes.

Además declaró que los forenses norteamericanos le quitaron el corazón, el cerebro y otros órganos "para que nadie pueda averiguar la verdadera causa de la muerte".

El padre del otro preso saudita que apareció muerto, Yassir Al Sahrani, también señaló que descubrió hematomas en la cabeza de su hijo.

En tanto, el padre del otro detenido muerto, oriundo de Yemen, denunció que los restos de su hijo tampoco llegaron "completos" a su país, y destacó que el suicidio va en contra de los principios del Islam». (Pulsar Agencia Informativa)

NOTA: Esta notícia, a confirmar-se, demonstra que se atingiu o ponto máximo do nojo e da abjecção. Já pouco distingue os EUA da barbárie do fascismo islâmico.

Comentários

Anónimo disse…
Bush está na Europa para branquear crimes e outras diatribes americanas.
Veio evocar a solidariedade "atlantista" depois do facto consumado, isto é,
a invasão do Iraque à revelia do Conselho de Segurança da ONU acrescida da oposição de largos e influentes sectores da opinião pública europeia. A decisão unilateral americana, com a subserviência de Blair, Aznar e... o ridículo "pôr em bicos de pé" de Barroso, só trouxe problemas à Europa.
Neste momento, afundado no atoleiro do Iraque, julga dever empenhar a Europa naquilo a que genericamente chama: "luta contra o terrorismo".
Quer salvar a pele e não encontra outro caminho senão o clamar pela aliança atlântica ou se quisermos, para consumo internacional, "transatlântica".
Veio à Europa quanto, nos EUA, a "vidinha" está a ficar difícil. Os democratas solicitaram ao Congresso um inquérito aos "dinheiros da guerra" que envolvem negócios menos claros (é favor!) da grande empresa bélica americana - Haliburton (a tal de Rumsfeld & Cheney). Os republicanos fizeram valer a maioria na Câmara e, deixando as acusações por esclarecer, inviabilizam o inquérito.
No campo dos direitos humanos, tão insistentemente mencionados nos preparativos para a invasão do Iraque, os EUA vão dando ao Mundo a pior imagem civilizacional. São as torturas de Abu Ghraib, os "passeios aéreos" pela Europa de prisioneiros com destino a estâncias de tortura, as mortes em Guantánamo (em circunstâncias que o post denuncia), etc.

Bush, Cheney & Rumsfeld desprezam profundamente a Europa, como o já demonstraram bastas vezes. Só se lembram do "Velho Continente" quando estão em apuros. As relações com a Europa podem ser liminarmente avaliadas na questão dos vistos de entrada nos respectivos espaços territoriais.
Para alguns europeus severas restrições na entrada nos EUA, para os americanos (incluindo militares e a CIA) a "livre circulação". A bilateralidade e a reciprocidade, nas relações internacionais, não contam, nunca "impressionaram" os americanos

Entretanto, a Europa prepara-se para acolher as sugestões americanas de cooperação aparentemente em troca do encerramento do "novo Gulag" de Guantánamo. Inteiramente justa esta reivindicação mas demasiado "curta".
A Europa necessita de espaço político para discutir, de igual para igual, a situação internacional. Reivindicações pontuais só adiam os problemas e, no fundo, menorizam a Europa.
A presidência da CE (qualquer que seja no sistema rotativo)tem de entender o profundo sentimento europeu em relação aos actuais responsáveis políticos americanos e dialogar em conformidade e com dignidade.
O que, diga-se de passagem, será difícil dada a prestimosa colaboração e servilismo de Durão Barroso (presidente da Comissão Europeia)
em relação a Bush.
A presidencia da CE cabe, neste momento, à Austria. O momento político para incrementar o diálogo euro-americano não foi escolhido inocentemente.

Hoje, Bush chegou a Viena, mobilizou um aparatoso e desproporcionado esquema de segurança que perturbou a cidade mas, apesar disso, deve ter ouvido o gritar dos manifestantes:

- "BUSH GO HOME!"
Mano 69 disse…
«Já pouco distingue os EUA da barbárie do fascismo islâmico.»

Colocar tudo e todos no mesmo saco também é abjecto, demonstrador de um certo pensamento de extrema-esquerda militante.
Anónimo disse…
Mano 69:

Abjecto é não sentir repugnância pelos factos.

Parece que o mano 69 vê extrema-esquerda na social-democracia e no americano Al-Gore.

Olhe que o silêncio e o branqueamento são formas de cumplicidade.
Anónimo disse…
Segundo as últimas sondagens americanas Al-gore perde as eleições presidenciais quer para John Mcain, quer para Rudolph Giulliani ambos do Partido Republicano. O único candidato republicano a quem ganharia era a Jeff Bush.
O Homem de facto é muito bom (ahahahahahahah).
Este esperança é cá um artista!
Anónimo disse…
Caro Anónimo de Qui Jun 22, 01:37:28 PM

Os dados que tenho (Gallup) são ligeiramente diferentes:

PARTIDO DEMOCRÁTICO
Hillary Rodham Clinton 36%
Al Gore 16%

PARTIDO REPUBLICANO
Rudy Giuliani 29 %
John McCain 24 %

Al Gore embora esteja em mau score contra os 2 principais (eventuais) canditatos republicanos ganha com larga vantagem a outros 4 possíveis:
Newt Gingrich 8%
Mitt Romney 6%
Bill Frist 6%
George Allen 5%

Mas, isto tem pouco significado já que falta muito tempo para 2008.

A principal ocultação das sondagens que divulga é, neste momento, a larga vantagem que Hillary Clinton disfruta...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime