Turquia – A democracia no seu labirinto

Por toda a Europa o pensamento politicamente correcto rejubilou com o SIM dos turcos a um referendo que atenua a laicidade a que o Estado era obrigado e enterra o legado de Atatürk. Juízes e militares, guardiães da Constituição cuja revisão foi sufragada, sofrem há muito a desconfiança da União Europeia que recusa regimes não democráticos, com excepção para os países produtores de petróleo e as teocracias.

Não há democracia quando existe tutela de juízes e Forças Armadas, como acontecia antes do referendo, mas o voto democrático que levou Hitler ao poder é o mesmo que legitima as teocracias e substitui o direito civil pelo canónico. A democracia não é o resultado de um referendo, é o apego ao exercício eleitoral e ao respeito pelas minorias. Na Argélia, em Dezembro de 1991, a FIS (Frente Islâmica de Salvação) ganhou a 1.ª volta das eleições legislativas e venceria a 2.ª volta se um golpe de Estado, que aliviou a Europa, não a impedisse. A FIS fez a campanha contra a laicidade e a emancipação da mulher, na defesa de uma sociedade islâmica de acordo com a Sunna. Longe de afastar eleitores tinha a vitória assegurada. Democraticamente.

Quando os juízes turcos do Supremo Tribunal consideraram inconstitucional o uso do véu islâmico nas universidades foram alvo de ataques e um deles assassinado. A atitude do primeiro-ministro perante o crime foi esquecida. Tayyp Erdogan mostrou entender o crime dada a ofensa aos sentimentos islâmicos.

Até agora era legal a prática ou a recusa de qualquer religião. Veremos no futuro como se comporta um primeiro-ministro com antecedentes suspeitos e a quem a perspicácia de Bruxelas atribui o epíteto de muçulmano moderado.

A vitória do governo islâmico da Turquia vai permitir o uso do véu mas o perigo é que se torne obrigatório e que os órgãos de soberania sejam submetidos aos cinco pilares do Islão.

A nova constituição afastou militares e juízes mas atrairá clérigos que nas madraças e mesquitas darão graças a Alá pelas alterações com que os «muçulmanos moderados» se encarregaram de agradar a Maomé.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Graza disse…
(…)”A democracia não é o resultado de um referendo, é o apego ao exercício eleitoral e ao respeito pelas minorias”(…) Parabéns, esta é de: 5 estrelas. Mas como se resolve a questão? Talvez a Democracia tenha então um gene defeituoso que não lhe permite defender-se. Não será o tal “politicamente correcto” um indício?

Chamo a atenção para estas declarações: (…) “Khadafi disse-lhes que o islão devia tornar-se na religião da Europa” e que “o primeiro passo para a islamização da Europa será a entrada da Turquia na União Europeia”. (…) São declarações que deixo ao cuidado dos adeptos da entrada da Turquia na União Europeia, e podem ler-se no Público, aqui: http://www.publico.pt/Mundo/festa-de-conversao-de-khadafi-em-roma-gera-polemica_1453567. Pergunto: isto é boa fé? Ao mesmo tempo, convém lembrar que a Europa e as suas fronteiras serão sempre definíveis por outros critérios que não os geográficos.

É então esta perspectiva de Turquia que poderemos um dia ter na Europa, uma vez que está a remover “obstáculos”? A pequena parte europeia da Trácia justifica que se puxe o resto para este lado? E se pesquisarmos por um mapa da Ásia, onde aparece a Turquia? Não tenhamos dúvidas, o avanço do Islão fará em breve da Turquia uma Teocracia, e esta será das grandes! Resumindo: consideramos verdadeiramente a Turquia, Europa? Valerá a pena, em nome da argumentação que defende uma Turquia europeia, um Magreb europeu etc., embarcar em aventuras das quais sabemos como começam mas não temos a mínima ideia como acabam?
Graza:

Surpreende-me o facto de os apelos ao ódio e ao racismo não serem tratados com a mesma severidade penal quando são ditados pela demência pia.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime