Momento de poesia

Dissertação sobre os pontos de fuga…


Não sei se estás mais longe ou mais perto

se te aproximas ou recuas

não sei medir a distância dos afectos

as portas fecharam-se

com as chaves que tu guardaste

e eu, impotente, sem as poder abrir

nas noites de insónia

quebrado pelos solavancos dos sonhos

onde apareces a sorrir

e a jogar no meu tabuleiro de xadrez

ouço as sinfonias dos teus desafios

e afundo-me no passado

atormentado pelo medo

e pelos estilhaços dos meus remorsos.

Alexandre de Castro

Comentários

Sem desprezo pelo Alexandre Castro permitam-me aqui manifestar a minha tristeza pela qualidade dos nossos telejornais, em tempos idos considerado fonte fidedigna das noticias verdadeiramente importantes.

Hoje não passam de um aquecimento fotonoveleiro para os programas que entram a seguir.

Revolta-me que se apresentem noticias em horario nobre como a que hoje ouvi na RTP 1: Existe um estudo francês sobre determinado produto de uma empresa portuguesa!

Como se já não bastasse a saloisse de apresentar em "prime share" a noticia de um estudo francês (como se o francês aqui lhe atribuisse uma importancia maior) sobre um produto de uma empresa portuguesa (que por sinal é o papel higiénico de cor preta vendido julgo que pela Renova que até é de capitais espanhois), ouvindo a noticia com mais atenção percebemos que o tal estudo é uma tese de mestrado de um estudante de gestão de uma universidade daquele País.

Pois bem, qual é a importancia disto? Para o aluno enventualmente terá alguma.

Como é que uma noticia destas chega a um telejornal? Das duas uma ou mais uma vêz o criterio jornalistico é o da novelisse (um papel higienico preto, que por acaso até já tem meia duzia de anos, sempre vende algumas audiencias) ou então estão fortemente empenhados em ajudar a economia.

Vamos ver se encontram por aí mais meia duzia de alunos, de preferencia de universidades do 1º mundo, a fazerem teses sobre Sumóis, Milianos e outros para fazer um pouco de publicidade.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime