EUA - Nove anos após o 11 de Setembro


«O nosso primeiro inimigo não é Bin Laden nem Al Zarqawi, mas o Corão, o livro que os intoxicou». (Oriana Fallaci, jornalista italiana, falecida).


Há nove anos não foi agredida apenas a América, a civilização foi posta à prova. O ódio religioso é a lepra que alastra e corrói a base dos sistemas democráticos e põe em risco a civilização.

Comentários

Anónimo disse…
os EUA.... cheio de pessoas "sãs"... são a "civilização".... boa anedota!
Anónimo disse…
Se esse lixo é a tal "civilização" que foi agredida então é melhor que surjam muitos mais agressores. A ponto de acabar com todos os papagaios neo-ateus com a sua conhecida desonestidade intelectual, tentando desvirtuar todo o fundo político usando qualquer coisa para atacar as religiões como um bloco sem questionar o real motivo por trás do atentado.

Nove anos e duas agressões contra outros países com centenas de milhares de mortos e alguém tem a cara de pau de dizer que essa é a civilização ? Mais do que a religião islâmica, que os intelectualmente muito desonestos condenam, o atentado serviu como a desculpa e a "verdadeira religião" que desde o acontecido foi a desculpa para se assassinar centenas de milhares. E são os islâmicos os bárbaros ? Ora, desenvolva alguma autocrítica e pare de dizer asneiras.
Julio disse…
É inevitável uma guerra mundial para arrefecer os ânimos religiosos.
E vem aí qualquer dia.
Com armas nucleares.
Alguns põem a culpa no Photon Belt e sua intensa energia negativa, por onde a Terra está passando há alguns anos.
Os habitantes deste tenebroso planeta andam completamente desvairados.
A origem tem que ser externa.
jrd disse…
As ignomínias da História coincidem nas datas.
Anónimo disse…
Impressionante como pessoas tão esclarecidas fazem estes posts a deitar fumo para os olhos sobre os crimes dos EUA(seus governantes e CIA). Veja-se: http://resistir.info/chossudovsky/osama_11set01.html; http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=20986 e... http://resistir.info/11set/bin_laden_2010.html. Podem ir ao YouTube ee ver vídeos sobre a farsa do 11 de Setembro de 2001. Convém.
T:

Temos posições comuns em várias situações mas divergimos noutras.

Também conheço os vídeos que refere mas conheço a crueldade dos livros ditos sagrados e sei do que são capazes os crentes embrutecidos pela fé.

Felizmente que podemos ter ideias diferentes o que nenhuma teocracia nos consentiria.

Obrigado pelo seu comentário.
Anónimo disse…
Claro que sou absolutamente contra qualquer Livro Sagrado... Só queria destacar que não acho bem, que, por omissão, se encubram os crimes que os sucessivos Governos Norte-Americanos têm cometido nos séculos XX e XXI contra as democracias socialistas e outros regimes, eleitos, que não lhes interessam por variadas razões - E são crimes odiosos contra populações que se limitaram a votar a favor dos seus próprios interesses. Além disso os EUA têm apoiado figuras sinistras e extremistas islamitas quando lhes interessa - talibãs, Saddam Hussein, Ossama bin Laden, etc., que depois se transformam em alvos a abater, mesmo que através de guerras sangrentas como a que assistimos actualmente.
De nada!
Anónimo disse…
Os EUA foram responsáveis diretos e indiretos pela morte de milhões. Não dá pra chamar isso de civilização.
Não sendo pró-americano - veja-se o comentário que fiz ao post sobre Pinochet - subscrevo inteiramente o post de C.E.. É que, como nele muito bem se diz, não foi agredida apenas a América, mas toda a civilização (e mesmo que fosse só a América, o crime, que fez milhares de vítimas inocentes, sempre seria inaceitável).
Não concordei nem concordo com a invasão do Iraque; mas não posso deixar de lembrar que as centenas de milhares de pessoas que têm morrido na guerra do Iraque não foram mortas pelos americanos. Em mais de 90% dos casos são os islamitas que se matam uns aos outros, pelo simples facto de uns serem xiitas e outros sunitas; na base desses assassínios está pois o extremismo religioso.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?