SOLSTÍCIO de INVERNO...

"Templo" do Sol [Pedra da Cabeleira] - Chãs - V. N Foz Coa

O solstício de Inverno assinala a noite mais longa do ano. A longa escuridão e o recalcitrante frio. Apesar disso, o solstício é um apogeu. O início de dias mais longos e a crescente imposição da luz… até ao solstício de Verão.
Esta época gélida e de escuridão sempre inquietou os homens. Desde a Antiguidade que simbolizou a união entre a Terra [feminino] e o Sol [masculino]. União que representa o ritual do renascimento. Do que quisermos: do Homem, da Natureza, do Universo.
Destas mutações astronómicas os pagãos fizeram nascer entidades mitológicas: Atis, Dionísio, Osíris, … .
Comemoravam esta época como um tempo de fertilidade que, por exemplo, no Egipto Antigo, aproveitavam para tratar das sementes e celebravam todos os anos, o nascimento de Horus, filho da virgem Ísis, e sua imagem era exposta à adoração do povo.
As civilizações pré-colombianas, do continente americano, relacionavam-no com novos ciclos astrológicos que influenciavam o Mundo.

No início da actual era [cristã], em Roma, continuava-se a celebrar grandes festas comemorativas do solstício de Inverno. Até que, no século IV, a Roma imperial decidiu alterar as comemorações. O nascimento do Sol foi substituído pela natividade cristã. Constantino I abandonou o culto de Hércules e do Sol Imperial para professar o cristianismo, convencido que teria vencido a batalha de Ponte Mílvia [disputava-se a parte ocidental do Império] sob a protecção divina. A igreja cristã sentada no trono de Constantino plagiou a imortalidade do Antigo Egipto: colocou Horus [Jesus] do colo de Ísis [Maria] - progenitoras por coincidência “virgens”… .
Não é, portanto, o catolicismo que impõe o Natal ao solstício de Inverno, mas sim o poderio imperial. Ao que julgo nenhum texto bíblico refere o Natal. E deste modo, no Mundo ocidental, adulteraram-se as ancestrais comemorações, usurpou-se a dimensão pagã do solstício visceralmente ligada à Terra, aos fenómenos naturais, aos astros, à Sombra, à Luz.
Todavia, o Inverno permanece indiferente a estes históricos conluios entre cristãos e o império romano.
No passado dia 21 a Terra e o Sol entraram, mais uma vez, em solstício.
Festejemos, com alegria, o novo solstício de Inverno.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime