O FERIADO DA IMACULADA CONCEIÇÃO

Festeja-se hoje o feriado mais ridículo do nosso calendário: o da Imaculada Conceição. Muitos profanos pensam que se trata da "imaculada conceição" de Jesus Cristo, nascido do ventre de sua mãe Maria por obra e graça do Espírito Santo, isto é, sem que nenhum homem tenha fecundado o referido ventre, pois Maria era e continuou sempre a ser virgem (é claro que anatomicamente isto é impossível: se Maria fosse virgem antes de Cristo nascer, certamente que o seu imaculado hímen não teria resistido à passagem por ele do corpo do menino Jesus; este teria assim desflorado a sua própria mãe ao nascer!).
Mas não é isso. A coisa é ainda mais absurda. A Igreja Católica não achou suficiente que Jesus tivesse nascido de uma virgem: entendeu ser necessário que a sua mãe tivesse também nascido "sem pecado", isto é, sem que a mãe dela, avó de Cristo, tivesse sido "profanada" por nenhum homem. Por isso o Papa Pio IX, em 8 de dezembro de 1854, na Bula Ineffabilis Deus, com toda a sua infalibilidade, decretou como dogma indiscutível (passe o pleonasmo) que "a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante da sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus omnipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, foi preservada imune de toda a mancha de pecado original".
E é por isso que hoje em Portugal é feriado.
Parece-me inadmissível que num Estado laico exista um tal feriado. Mas estranhamente existe e persiste, sem que nenhum legislador ouse pô-lo em causa. Ninguém ousa afrontar a ICAR, que ainda por cima neste caso teria a seu lado, além obviamente dos fidelíssimos partidos da direita, o Partido Comunista, sempre pronto a defender o sacrossanto "direito adquirido" dos trabalhadores a não trabalharem neste dia, e os Verdes, esses alter ego do PC, e se calhar também o Bloco de Esquerda, pelas mesmas razões e agora ainda por ter como leader parlamentar o devoto Dr. Pureza.
E assim, com esta piedosa unanimidade, continuamos e continuaremos - até quando? - a festejar a "Imaculada Conceição"!

Comentários

andrepereira disse…
E antes dessa bula, como era? Não havia medicamentos?
b m disse…
Meu caro Horta Pinto,

E se aos devotos acrescentassemos o Guterres ?
Também não estaria mal!...

Quanto ao feriado, estou de acordo. Mas que permaneça por causa dos trabalhadores infatigáveis.

Sugiro é que passe a celebrar outra efeméride .
Por exemplo,a sacrossanta virtude da castidade. Mas tinha um contra : nem trabalhadores nem patrões o cumpriam...
Abraço.
b.m.
Caro André Pereira
Antes dessa bula já havia medicamentos, mas não havia ainda os pecaminosos anticoncetivos!


Caro B M
Aos devotos podemos acrescentar o Guterres, que tergiversou aquando da discussão da lei do aborto, e a Dr.ª Matilde Sousa Franco, que o PS uma vez oportunisticamente impingiu como cabeça de lista por Coimbra, o que fez com que nessas eleições Coimbra tivesse sido o distrito onde o PS menos subiu e o BE mais subiu. Depois viu-se o seu lamentável desempenho no Parlamento!
Um abraço
HP

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime