A Turquia, a Europa e a democracia

Erdogan, primeiro-ministro turco, alcunhado de muçulmano moderado, pela UE e EUA, casado com uma devota que, se tira o véu islâmico é apenas para cumprir as obrigações conjugais, cumpre hoje a ameaça, há muito feita, a disputa das eleições presidenciais.

São as primeiras eleições por sufrágio universal e, a partir daqui, o presidente passa a ter um enorme poder, ao contrário do anterior com uma função praticamente honorífica.

Não está em causa o modelo político nem a validade da vitória previamente assegurada pelo apoio das mesquitas ao futuro presidente no país que dispões das mais numerosas Forças Armadas da Nato, fora dos EUA. A derrota da laicidade está acautelada depois de os militares e os magistrados que eram o seu garante, terem sido lenta e eficazmente afastados, presos ou assassinados.

Hoje começa a destruição do legado de Mustafa Kemal Atatürk. A Turquia fica à mercê de um «muçulmano moderado» que ontem afirmou no seu último comício eleitoral: «Se Deus quiser, uma nova Turquia nascerá amanhã. Uma Turquia forte vai renascer das cinzas». «Vocês elegeram o partido do povo a 3 de novembro [2002] e, se Deus quiser, vão eleger o presidente do povo, amanhã». «Chegou a hora do fim da velha Turquia e das suas políticas partidárias».

Todos sabemos do horror divino à democracia e ao pluralismo. Há 77 milhões de turcos em risco de submissão aos cinco pilares do Islão. A Europa não precisa de ser invadida pelos turcos, basta a lepra da fé alastrar pelos interstícios da sua sociedade secularizada, laica e democrática.

Comentários

brites disse…

Há que temer o pior...
Acabar com as políticas partidárias tem o sentido único de ditadura.
Às portas de uma europa ferida e sem força de juventude que a cure!
e-pá! disse…
Lá ganhou!
Todavia, esta última vitória que trará imensos problemas (nomeadamente aos turcos) tem um reverso da medalha: dá a UE alguma folga relativamente a uma projectada aproximação (na essência fracturante).

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …