Bendito seja o Caruncho!

Há 46 anos, no dia de hoje, uma cadeira pacientemente minada por um herói anónimo – o caruncho –, que discretamente a corroeu, fez o que os portugueses não puderam.

No Forte de Santo António, no Estoril, começou a escrever-se a palavra “esperança”, no corpo do envilecido ditador, com o cérebro a esvair-se e os saprófitas do regime em estado de estupor.

Essa foi a cadeira de todos os sonhos, o assento desconjuntado, pulverizada a madeira para dar lugar ao futuro na única arremetida eficaz contra o crápula de Santa Comba.

O caruncho não teve uma venera nem lhe foram prestadas honras nacionais e a cadeira não mereceu a glória de um museu, mas a minha geração recorda o que lhe devemos.

No seu discreto labor, o caruncho é o único que em S. Bento e Belém repete o trabalho heroico e patriótico que em 1968 estatelou Salazar, estando o trabalho em fase adiantada no Palácio de Belém.

Honra e glória ao caruncho!

Comentários

celestemartins disse…
Hossanas ao caruncho e também ao "espirito" poupadinho, miserabilista de não comprar cadeiras novas, já que as velhas ainda tinham muito para dar. E deram. para nossa alegria e desagravo de um pais inteirinho a festejar !!!!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido