O negócio das relíquias está de volta

Não dedico a Lutero e, ainda menos a Calvino, especial sedução, mas admiro, sobretudo ao primeiro, a coragem com que denunciou o negócio das indulgências e o das relíquias, que eram para Leão X o que as especiarias, cravinho, canela e noz-moscada, foram para os portugueses da mesma época.

Quando as indulgências se vendiam ao domicílio e já prosperava o lucrativo negócio de relíquias contrafeitas, sem certificado de origem nem garantia de milagres, insurgiu-se Lutero contra o negócio e causou rombos irreparáveis no comércio papal e no paralelo.

A excomunhão da Igreja Romana e a pena de proscrito, esta imposta pelo imperador do Sacro Império Romano Germânico, causaram-lhe menos danos do que ele aos negócios pios. No fundo, as cotações das excomunhões baixaram em linha com as das relíquias e indulgências na bolsa de valores da fé.

Agora que chegaram a Portugal, ao Santuário de Cerejais, em Alfândega da Fé, relíquias de João Paulo II [cabelo e vestes brancas usadas por ele] certamente com certificação de ADN, o DN de ontem, dia 11 de agosto do Ano da Graça de 2014, deu-nos conta de como um teólogo [especialista numa ciência sem método nem objeto] viu a preciosa chegada.

O teólogo e padre franciscano, Carreira das Neves, especialista da fé, disse que ignorava a importação de tais relíquias, mas que as achava importantes. Os leitores, dos mais pios aos mais céticos, adivinham o que, prudente, poderia dizer um profissional da casa.

O que surpreendeu foi a confissão do padre Correia das Neves de que ‘João Paulo II não acreditava em Fátima mas depois do atentado que sofreu mandou vir [sic] coisas para o Vaticano sobre Fátima e passou a ser devoto’.

Perplexos ficam os incréus com João Paulo II que, não crendo, se prestou a vir a Fátima a enganar devotos e ter sido preciso que, em dias 13 de maio, quiçá por desígnio divino, o padre Juan Fernández Krohn e Ali Agca tivessem de o convencer à força.

Comentários

e-pá! disse…
Como dizia Balzac 'a fé é uma ilusão desmedida'...

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975