Confissões do vice-presidente da Câmara do Porto


«Nas mais diversas Câmaras Municipais do País há projectos imobiliários que só podem ter sido aprovados por corruptos ou atrasados mentais».
Paulo Morais, vice-presidente da Câmara do Porto com pelouro do urbanismo «Visão», 25-8-05.

«(No Porto) tive pressões ilegítimas de todos os níveis do PSD, de outros partidos, dos mais diversos lados». Idem, Ibidem.

«(Chumbámos) um edifício no Parque da Cidade, da empresa Rodrigues Gomes, para a qual recebi pressões e cunhas de dezenas de pessoas, da forma mais ostensiva, a nível governamental» Idem, ibidem.

«O urbanismo é, na maioria das Câmaras, a forma mais encapotada e sub-reptícia de transferir bem s públicos para a mão de privados. A palavra para isto é ‘roubo’». Idem, ibidem.

'FRASES' do «Expresso» de 27/8/05.

Comentários

BM disse…
Há tempos pareceu-me ter lido algo relativo a Espanha, já com o governo actual, sobre «Códigos de conduta» dos governantes.
Não garante tudo, mas talvez tenha alguma utilidade. Talvez não em Portugal.
Anónimo disse…
CONCORDO. DESAFIO POR OUTRO LADO, OS AUTARCAS DA CÂMARA DE COIMBRA, TODOS MESMO OS DA OPOSIÇÃO SOCIALISTA, A MOSTRAREM AS SUAS DECLARAÇÕES DE INTERESSES QUE DEVERIAM TER JÁ ENTREGUE NO DECURSO DO ACTUALMANDATO, NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE COIMBRA

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita