Discovery aterrou em segurança

É esta fascinante capacidade que alimenta a esperança na humanidade. Após vários adiamentos, momentos de dúvida e mudança de local de aterragem, o Discovery aterrou na base aérea de Edwards, na Califórnia.

Ver as imagens é sentir um frémito de emoção, após a angústia e o medo do fracasso.

É esta América que nos maravilha, o País que lidera o progresso e a investigação especial. É a América que merecia um Presidente melhor e devia proteger-se do conservadorismo evangélico que entrou numa escalada de proselitismo e demência.

Comentários

mig disse…
as listas em arganil
análise em hygiaphone.blogspot.com
Mano 69 disse…
O que nós precisamos agora é de hipnoterapia.


1 2 3 e está tudo a dormir.

A partir de agora tudo vai bem neste país e estamos todos felizes e contentes.


(…)


Quando eu estalar os dedos vamos todos acordar… ressacados.
Anónimo disse…
Os EUA vistos em dois: o que é bom e o que é mau... Os cinzentões é que não ficam no meio, ao contrário da virtude (até para pensar bem é necessário ser-se virtuoso).
Anónimo disse…
Nisto os sacanas são bons, noutras tais como "ingerências", em política alheia é q é uma gaita...
André disse…
Nao creio que na decada de 60 o homem tenha chegado a lua. Se hoje, com toda essa tecnologia, ainda ha problemas como os da nave Columbia, nao é possível que naqueles tempos se tenha ido e voltado perfeitamente até tão longe. abraços, bons posts.
Ze esterco disse…
Desde quando é que os EUA são um bom exemplo? Nunca gostei deles e acho que com razão...
Querem ser donos do mundo sem ligarem aos otros paises, menosprezando os cidadãos e os direitos desses outros paises...
se acha que isto é um bom exemplo, eu não..
Anónimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Os comentários repetidos são apagados.

Deixam de ser comentários e tornam-se mera publicidade.
Anónimo disse…
This is very interesting site... here

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação