Momento de poesia


Fraternidade

Também solto o meu grito.
Também jogo
O meu graveto ao fogo
Do ideal humano em que acredito.

Na distância onde moro,
Também sofro e confundo
As lágrimas que choro,
Com outras que se vertem pelo mundo…

E na terra maninha, hostil e fraca,
Num esforço sem brilhos,
Também planto a estaca
Que há-de dar sombra aos filhos dos meus filhos.
.
Armando Moradas Ferreira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita