Coragem da aposta portuguesa

O Primeiro-ministro português e presidente em exercício da União Europeia (UE), José Sócrates, declarou este domingo que foram cumpridos “todos os grandes objectivos” definidos para a Cimeira UE/África, considerando ter-se tratado de um “acontecimento verdadeiramente extraordinário”, que marcou a história da relação entre os dois continentes.

Comentário: Quanto aos resultados só o futuro o dirá, mas foram ambiciosos os objectivos, generosos os propósitos e cuidada a preparação da Cimeira.

Comentários

altohama disse…
Felizes e contentes os poucos que têm milhões continuarão a estar-se nas tintas para os milhões que têm pouco, ou nada.

Cumprimentos,

Alto Hama
e-pá! disse…
A aposta portuguesa, melhor seria chamar-lhe europeia, é tardia.

A Europa, nestas Cimeiras e, principalmente, fora delas, começa a compreender que perdeu a sua influência em África por não ter sabido gerir com inteligência, honestidade e humanismo o período pós-colonial que começou com o fim da II Guerra Mundial (45) e, por cá, se arrastou até ao fim da ditadura.
Hoje, África estará virada para todos os lados do Mundo mas não preferencialmente para a Europa.
Nem sequer o Magreb onde a influência de uma Europa Mediterrânica teria razões históricas, culturais, de proximidade e até económicas.

E, como é óbvio, Sócrates não tem nada a ver com isto.
Diz respeito a uma geração política europeia que, por causas naturais, já não está no Poder...
Anónimo disse…
EEHEHHEHEHEH

O esperança quando fala do Exmo Senhor Primeiro Ministro Sócrates até tem orgasmos !!!!
Anónimo disse…
«Quanto aos resultados só o futuro o dirá, mas foram ambiciosos os objectivos, generosos os propósitos e cuidada a preparação da Cimeira»


Enfim, foi muita a propaganda...
Anónimo disse…
Na realidade, "o acontecimento foi verdadeiramente extraordinário", gastaram-se muitos milhões de euros, fizemos figura de ricos e infelizmente, não temos onde caír mortos...

Coisas de país minorca, com tiques de grande país...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime