A Escócia, o referendo e o suicídio europeu

Ainda espero que o notável, histórico e dramático discurso de Gordon Brown, o escocês que foi primeiro-ministro britânico, possa ter contido, ontem, a loucura independentista dos escoceses, que podem começar, na euforia, por se encharcarem em Whisky e, na ressaca, acabarem a desfazer-se em lágrimas.

Não é tanto a mansa cisão da Escócia que inquieta, é o agressivo alvoroço que atiça em outras regiões a incontrolável atomização do espaço europeu e a redefinição inexorável de fronteiras que auguram a destruição da União Europeia e abrem portas aos exaltados nacionalismos, prenunciadores do sangue com que se definem as nações.

Quando a Europa, exangue, com a economia parada e um desemprego dramático, não consegue manter a união, torna-se presa fácil da extrema-direita que não para de crescer e das competições religiosas, económicas e culturais que a dilaceram.

A Alemanha, que não descansou enquanto não se unificou, compõe-se de 80 milhões de habitantes, mas a Europa, que não descansa enquanto não se desfizer, divide-se em 730 milhões.

A Escócia é o rastilho que incendiará a Espanha, a Itália e a Bélgica, para começar, para depois levar o vírus da desintegração ao Canadá e à África enquanto inventa novos países e guerras no seu seio.

Esperemos pelos resultados do referendo da Escócia para sabermos se o significado das urnas é diferente do dos ataúdes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido