Um país abúlico à espera de D. Sebastião

Os garotos maltratados tornam-se malhadiços. À força de suportarem agressões dos pais e dos colegas, resistem à dor e à humilhação, indiferentes às feridas e cicatrizes que os acompanharão na vida.

À semelhança de garotos, a quem a sorte reservou a pobreza, a vergonha e o sofrimento, os países tornam-se malhadiços. Quando mergulham na apatia, refugiam-se na amnésia e suportam a incúria de quem manda e a arbitrariedade de quem decide.

Os portugueses que, ainda há 4 anos, desciam à rua, revoltados com os abanões sofridos pela crise financeira internacional e a falta de resposta do governo, sofrem agora a mais implacável ofensiva de quem não olhou a meios para atingir o poder e não abre mão do pote em que se repoltreia à tripa forra. Renunciaram ao direito à indignação.

Souberam da condenação alemã, por suborno, dos vendedores de submarinos. Foram condenados os delinquentes e preso um ministro grego subornado. Em Portugal não se passou nada. O banco BPN, arrasta na lama a fina flor do cavaquismo e, enquanto o país geme sob a carga fiscal, andam à solta os responsáveis pelo maior escândalo financeiro de sempre. Depois, BPP, BCP e Banif deixaram de ser notícia quando um escândalo, à escala mundial, lançou o caos nos mercados e o medo dos banqueiros, caso GES/BES, tratado com benevolência pela comunicação social e sepulcral silêncio pelo poder.

O país tolhido de medo, com PR, Governo e maioria que, por falta do código de barras, mantêm o prazo, aguarda pela manhã de nevoeiro das próximas eleições para se lançar nos braços de um D. Sebastião qualquer que nos precipite no Alcácer Quibir que quiser.    

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …