O 1.º auto de fé português – 474 anos depois

Em 20 de setembro de 1540 teve lugar, em Portugal, o primeiro auto de fé. No sábado passado fez 474 anos que se realizou em Lisboa, na Praça do Rossio, o primeiro ato de pia devoção inquisitorial, com a presença da Corte, quase seis décadas depois de, em Sevilha, terem sido executadas 6 pessoas, homens e mulheres.

A Espanha sempre foi mais devota do que Portugal e mais precoce a incinerar judeus, bruxas, hereges  e outros inimigos da única fé verdadeira.

Imagine-se o entusiamo piedoso de ver grelhar um herege, uma bruxa ou um judeu para glória divina! Podia o rei, a rainha e a mais alta nobreza deixar sozinhos os clérigos que se esforçavam para obter confissões de heresia, relações sexuais com o demónio e mais relaxações que só a fogueira redimia!?

Quando vejo os chalados de Maomé a rebolarem-se de gozo com uma decapitação ou a lapidação de uma adúltera, com chicotadas públicas ou outras punições aprovadas pelo Profeta, não posso esquecer o entusiasmo com que no Rossio, no terreiro do Paço ou na Praça da Figueira se reunia lenha para o espetáculo pio onde, depois de açoitados, eram os réprobos transformados em combustível que iluminava os santos e retos caminhos da Providência.

Entre a velhacaria e a demência, a história repete-se, rodando as religiões na reedição da crueldade para divertimento dos fiéis.

Comentários

Em síntese, os tipos estão atrasados 500 anos; já é um progresso na evolução, sabendo que de cristo a Maomé vão 622...
Julio disse…
Acho que foi Francisco de Bettencourt que escreveu sobre a inqusição em Portugal e Brasil.
Manuel Galvão disse…
A minha ignorância sobre a presença moura em Portugal é atroz. Mas isso não me impede de achar que este episódio da mensagem jhiadista não seja pura publicidade.
Este tipo de mensagem só atinge os objetivos da jhiad (amedrontar) quando é largamente divulgado. Ora, se atentarmos na profusão de meios de comunicação “oficiais” que aderiram à causa da divulgação, só podemos concluir que essa divulgação interessa muito aos poderes ocidentais. Pelo menos tanto quanto aos jhiadistas.
Fez muito bem, e-pá, em não reproduzir o texto da mensagem aqui.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido