O Estado Islâmico e a geoestratégia

A alegada coligação internacional já está a invadir a Síria, com alvos que não são claros, e, a partir daí, pode desestabilizar todo o Médio Oriente.

Entretanto, atingiram os mais altos postos da organização terrorista os oficiais que não são árabes. São georgianos e chineses que, no futuro, podem levar a guerra à Rússia e à China.

Eu não acredito em bruxas mas acredito que a Nato existe.

Comentários

Julio disse…
Tudo indica que haverá uma guerra acima [abaixo] da convencional: com armas nucleares, se for o caso!
Bastaria uma bomba lá pelo mundo Árabe para desfazer por muito tempo a rotina comercial entre as nações, imaginem!
O que se pode esperar sem grande aparato profético é mais guerra por aqueles meridianos.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido