O PR e o Palácio de Belém


Não, não me converti ao encanto de Marcelo que derrotou o meu candidato nas eleições presidenciais, nem votaria nele se as eleições se repetissem. Já me deu boas razões para o criticar, na obsessão de dar público testemunho da fé, como pretende a Igreja romana, no seu proselitismo, e o impede a neutralidade do cargo num país laico.

O que não pensarei de Marcelo é que lhe faltem patriotismo, estatura política e honradez que o obrigam a respeitar os bens do Estado e a comportar-se com o zelo de um devoto e o escrúpulo de um juiz.

A auditoria interna que mandou fazer às contas de Belém revela que pretende averiguar os gastos e prestar contas até ao último cêntimo. Tem um passado onde, em questões de negócios, não paira a mais leve suspeita e não pretenderá que a nuvem de uma qualquer incúria fique a ensombrá-lo.

Não são as possíveis poupanças de Belém que terão influência nas contas públicas, mas o exemplo não deixará de ter consequências noutros departamentos do Estado.

Segundo o DN, o Palácio de Belém não era modelo de gestão. Não se fala da central de intoxicação política da direita, de que pode ter sido sucursal, mas de “irregularidades e inconsistências” que atravessaram os orçamentos da Presidência da República e onde “nem tudo estava perfeito” ou era precária a fiabilidade das demonstrações financeiras.

Não são meia dúzia de milhões de euros que possam eventualmente poupar-se na PR, se é que podem ou devem poupar-se, que ajudam a resolver a dívida soberana impagável, de mais de 235 mil milhões de euros, mas o exemplo do inquilino de Belém, por mais simbólicos que sejam os seus poderes, tem um efeito pedagógico cujas repercussões não deixarão de fazer sentir-se.

Basta o trauma de sabermos os célebres «papéis do Panamá» congelados pelo Expresso e TVI, essa imensidão de possíveis fraudes que parecem hibernar até ao esquecimento.

Quanto ao Palácio de Belém, o processo de desratização em curso, assegura medidas de higiene que tardavam. Acredito na determinação moralizadora do PR.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975