Era só o que faltava!

Aborto: Ordem não irá punir os médicos

O bastonário dos Médicos, Pedro Nunes, afirmou ontem que os médicos que venham a realizar abortos, caso a despenalização venha a ser aprovada na sequência do referendo, não vão ser alvo de medidas punitivas por parte da Ordem.

O espírito corporativo já chegou ao extremo de um bastonário afirmar que os profissionais que integram a Ordem não serão punidos por cumprirem a lei.

Num país onde a Justiça funcionasse um bastonário seria julgado por incitar à desobediência ou que, de qualquer modo, prejudicasse a aplicação da lei.

Dizer que a OM se conforma com o cumprimento da lei é um acto de desfaçatez.

Comentários

e-pá! disse…
A declaração do Sr. Bastonário, em nome Ordem dos Médicos, de que não mudará o Código Deontológico se for despenalizada a IVG (como está prevista na proposta de referendo) é, em termos de legalidade democrática, muito grave.
É, também, uma posição fracturante no seio da corporação que enfraquece os orgãos dirigentes e fragmenta a associação profissional.
A partir daí quem terá autoridade (ou oportunidade) para aplicar, a alguém, o Código Deontológico em vigor?
Que tipo de conflitos espera a OM dirimir, nomeadamente, com o poder judicial, na aplicação da lei que resultar do referendo?

Pior foi, depois, a tremenda confusão que o mesmo dirigente da OM estabeleceu ao tecer atabalhoadas considerações sobre o papel a desempenhar pelo SNS na implementação das medidas previstas pelo próximo referendo sobre a IVG (no caso de vencer o SIM).
A evocação de motivações económicas para obstaculizar essa implementação é, pura e simplesmente, uma posição de bloqueio à sua exequibilidade prática.
A tentativa de endossar essa responsabilidade para o sector convencionado da saúde pode levantar (virá a levantar) problemas de acessibilidade.
Na verdade, o suporte económico do SNS necessário, para este ou outros objectivos, não é um preponderante problema profissional, sendo, antes de tudo, um assunto orçamental do MS.

Em certas ocasiões mais vale estar calado.

Uma prestação lamentável!
pai de família disse…
Se bem percebi, o Sr. Bastonário é contra a alteração do Código Deontológico dos Médicos, de modo a este nunca poder vir a prever o homicídio.
Muito bem, os meus aplausos.
Que os médicos, promotores da Saúde e da Vida Humana saibam interpretar este sinal de bom senso.
Como o NÃO vai ganhar (por muito absurda que seja esta "consulta" aberrante à Vida!), na Graça de Deus Nosso Senhor, os médicos que queiram praticar homicídios serão punidos.
Nunca, numa sociedade católica, respeitadora do Valor Supremo da Vida, o hómicídio será permitido.
Nunca, numa sociedade que respeita os valores ancestrais e criadores desta Grande Nação Portuguesa, baseada no Amor a Jesus Cristo, a cultura de morte prevalecerá.
Perderam uma vez, perderão mais uma e as que forem precisas.
O Povo Português, temente a Deus, não o permitirá!
Nunca será Portugal uma terra de rebaldaria, de galdérias a abortarem por dá cá aquela palha, de maricas a casarem e a adoptarem (valha-me Deus!) crianças.
Querem acabar com a nossa identidade ancestral, não é?
Querem institucionalizar amplamente a cultura de morte, através de "casamentos" aberrantes (em que não há capacidade reprodutiva), aborto/homicídio, eutanásia...
Querem aniquilar a identidade nacional.
Mas nós, os portugueses de sangue, católicos, respeitadores e amantes da Vida Humana, nunca deixaremos!

Pelas criancinhas inocentes!
Pelos bebés que ainda vão nascer!
PELA VIDA!
e-pá! disse…
O comentário do "pai de família" confirma a minha opinião, sobre a prestação pública do Sr. Bastonário da OM, de que:
"em certas ocasiões mais vale estar calado".

Queria, no entanto, acrescentar uma suspeita que, há bastante tempo, me incomoda.
As prestações do dito "pai de família" são tão naifs, descabidas e deslocadas da realidade, que me interrogo se não estaremos em presença de um incorrigível "brincalhão"...
Anónimo disse…
Ordem criada no tempo do chamado "estado novo". Qual era a deontologia médica nos tempos do nosso amigo de Santa Comba.
Provávelmente, que muitos nostálgicos dessa deontologia, ainda exercem funções.
E sabe-se bem que a lei é só para ser cumprida pelos servos. Não pela alta casta de dignitários do País.

Agora para o e-pá: esse "pai de familia" seria um brincalhão?. Como todos os amigos de salazar?. Pois ele até é amigo da obra de um grande brincalhão que foi o dr mengele. Grande brincalhão adepto do nacional extremismo. Quantos brincalhões sanguinários desse tipo conta a História mundial.
e-pá! disse…
CARO ANÓNIMO (Ter Out 24, 11:00:35 AM)

Ainda a propósito da personalidade do "pai de família":

Quem defende o nazi Mengele (que para desonra da classe foi médico) e a propósito das recentes declarações do Bastonário da OM, sobre a IVG, afirma:
"Se bem percebi, o Sr. Bastonário é contra a alteração do Código Deontológico dos Médicos, de modo a este nunca poder vir a prever o homicídio.
Muito bem, os meus aplausos."

Só pode estar a brincar.
Não é?

Agora a existência, em Portugal, de saudosistas, fascistas, salazaristas, etc., isso é outro problema. Sério.
Anónimo disse…
Não seja burro Carlos Esperança!
Já ouviu falar no Juramento de Hipócrates????
Palerma!!!! Leia, amigo, leia...
Camisa Azul disse…
Ele lê mas com uns óculos fornecidos pelo PS e fabricados na antiga União Soviética.
Anónimo disse…
"O espírito corporativo já chegou ao extremo de um bastonário afirmar que os profissionais que integram a Ordem não serão punidos por cumprirem a lei."
CE: acho que está um não a mais, ou não?
Carlos Esperança disse…
Anónimo Ter Out 24, 04:06:10 PM

Não, a frase está correcta. O Sr. Bastonário é que não.
Anónimo disse…
Se há quem incite a torto e a direito ás rasteiras à lei são os abortistas.
Acham que está mal. OK. E os outros não podem pensar o que quiserem? Se as regras mudarem.
O que não é seguro. A distância nas sondagens é muito mais pequena que anos atrás. E a campanha abortista pode resultar ao contrário.

A apetência do sr Ministro pela indústria do aborto é patente. Ainda vai trazer a solução holandesa para "conceder" a eutanásia a miúdos até aos 10 anos. Sempre poupa mais uns cobres.

Nada mais pro-nazi que usar as capacidades que deviam ser para proteger a vida na "cura da gravidez". Loucura, insanidade total. É o que penso. E por isso, ainda não pago imposto. Nem quero pagar para barbaridades, nem para as mamãs(?) ganharem um mês de baixa por cada vez que se "forem curar".
Carlos Esperança disse…
Anonymous Qua Out 25, 12:38:15 AM:

Chamar nazi a quem não quer ver presas as mulheres que recorrem ao aborto é uma linguagem terrorista própria de um suicida islâmico ou de de um beato romano.

Quanto aos nazis e aos que combateram a liberdade talvez tenha mais simpatizantes nas suas hostes do que nas minhas.

O que está em causa no meu post é um bastonário que diz que não punirá os médicos que cumpram a lei.

É preciso ser tonto para pensar que o poderia fazer.
e-pá! disse…
CE:

A posição do Sr. Bastonário da OM é muito próxima da que, há poucos dias, foi atribuida à dupla Paulo Portas / Zita Seabra. Isto é, não mexer na lei, mas não julgar as mulheres por isso (IVG).

Ao afirmar que não mudará o Código Dentológico mas, ao mesmo tempo, não punirá os médicos que praticarem a IVG, é semelhante ao descrito no paragrafo anterior.

E o denominador comum será:
Ambas as propostas são, no mínimo, HIPÓCRITAS.

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação

Miranda do Corvo, 11 de setembro