As novas e as velhas questões do Islão...

Foi publicado pela The Pew Forum on religion & public life link um estudo sobre a distribuição da população muçulmana no Mundo - intitulado Mapping the Global Muslim Population. A report on the Size and Distribution of the World’s Muslim Population link

Na realidade o "peso demográfico" islâmico é muito significativo, enquanto a carga democrática é um "peso-pluma".

Os muçulmanos representam 1,57 mil milhões de crentes, quase um quarto da população mundial (23%), e 60% deles, vivem na Ásia, nomeadamente na Indonésia, Paquistão, Índia, Bangladesh, etc.

Nas “zonas mais turbulentas” no Norte de África e Próximo Oriente, vivem 315 milhões de muçulmanos, seguidos da África subsahariana.
Uma grande maioria dos muçulmanos é sunita, estando a minoria xiitas (politica e religiosamente mais activa) concentrada no Irão , no Paquistão e na Índia.
Na Europa (do Atlântico aos Urais) acolhem-se cerca de 38 milhões de muçulmanos. A Rússia é o país com maior número de muçulmanos residentes, seguida da Alemanha e da França.
Este é um quadro demográfico avassalador. A sua repercursão na vida política e social do Mundo não será menor.

E a grande interrogação é o que pensam verdadeiramente os muçulmanos?

Quem, na verdade, fala em nome do Islão ?

Algumas questões pertinentes, não estão esclarecidas, muito menos respondidas.

1.) - Os muçulmanos têm uma visão monolítica do Ocidente ou conseguem distinguir a suas políticas, cultura e religiões ;
2.) - O seu principal sonho é quando deambulam pelo Mundo é arranjar trabalho ;
3.) - Os muçulmanos que aprovam actos de violência são uma minoria ?
4.) – Essa minoria é "mais religiosa" do que os outros (muçulmanos) ?
5.) – Os muçulmanos admiram e adoptam a tecnologia ?
6.) – Os muçulmanos acreditam na democracia (do tipo ocidental)?
7.) – As mulheres muçulmanas desejam direitos de igualdade mas desejam manter a religião na sua vida social ?
8.) - a grande maioria dos muçulmanos desejam que os dirigentes religiosos tenham um papel directo na condução política dos seus países ?
9.) Os muçulmanos acham indispensável que a sua religião seja uma fonte e a raiz da sua legislação ?
10.) Existem muçulmanos politicamente "laicos" ?

Estas são uma pequena parte das questões que se colocam entre a convivência entre os muçulmanos e o Mundo.

Muitas outras haverá que, de alguma maneira, equacionem e respondam às perguntas candentes :
- Democracia ou teocracia ?
- Como um muçulmano se torna num radical (fundamentalistas) ?
- Quais as reivindicações das mulheres muçulmanas ?
- Guerra (clash) ou coexistência ? ».

Comentários

Julio disse…
A Constituição Europeia tem que proteger os cidadãos que a defendem!
Proteger de mais uma religião virulenta e retrógrada.
O Islamismo não merece qualquer apoio político, mas o poder dos números de votantes pode um dia destruir tudo o que vem sendo construído com grande sacrifício na Europa.
andrepereira disse…
Deixem a Turquia de fora e terão um dos maiores exércitos do mundo, uma das mais pujantes economias e mais umas dezenas de milhões de jovens a ver-nos como "o outro".
Só a laicização - via ATATURK - do islão permitirá uma paz duradoura.
A Palestina sob o jugo de Israel tem mais Universidades que toda a milionária península arábica. Só a Espanha traduz num ano mais livros que todos os países islâmicos desde o séc. X. O atraso e o obscurantismo são dramáticos. Só uma Turquia laica e integrada na UE poderá liderar o islão para a paz e a prosperidade!
. disse…
Coisas que se vão descobrindo sobre o islão.
Um muçulmano pode ser o maior criminoso em relação aos não muçulmanos. e mesmo para com muçulmanos.
Os outros muçulmanos não o julgam, allah sabe mais e allah é que o julgará. Ele, o muçulmano criminoso, pode ter feito coisas proveitosas para o islão, e os outros muçulmanos não o saberem.

Um não-muçulmano pode ser a melhor e a mais santa das pessoas. Para os muçulmanos não tem valor e é para submeter.
Para o islão, o pior muçulmano está acima do melhor não muçulmano.

Um não-muçulmano pode fazer o melhor dos bens aos muçulmanos, estes nada lhe agradecem. Agradecem só a allah, mesmo que allah os tenha posto ou ponha na maior das desgraças e misérias.

Os muçulmanos nunca podem por em causa maomé a allah, quando foi o próprio maomé a dizer que allah era o responsável por todo o mal do mundo.

Os muçulmanos dizem o que dizem e fazem o que fazem, porque isso lhes traz proveitos e os não muçulmanos, continuam cegos e a não quererem ver o que o islão realmente foi, é e quer ser.
Está tudo escrito, é só dar um pouco de atenção para descobrir estas e outras verdades sobre aquela coisa, o islão.

O islam aproveita-se da bondade, generosidade, ingenuidade e passividade dos não-muçulmanos, para ir construindo a sua maldade.

Mesmo que isso passe por desmascarar o mais mascarado dos males, tipo islão, as pessoas boas têm o direito, dever e obrigação de defenderem e construírem o bem.
Alfacinha disse…
É fazer uma muralha à volta do mundo livre e não deixar entrar mais nenhum, que aquela canalha são realmente nossos inimigos.
Julio disse…
C. disse tudo o que era necessário ouvir sobre essa religião retrogradíssima e desequilibradíssima em matéria humana.
Gostei muito!
. disse…
Na pratica a última coisa que maomé fez foi assassinar o seu próprio allah maometano.
Algures disse que depois dele, maomé, não haveria mais mensageiros ou mensagens.
Conclusão, allah não mais falaria.
Também disse que no ilsão, allah não tinha parceiros, nomeadamente o espírito santo.
Pergunta, em que estado está uma entidade que não fala nem tem espírito?

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?