Momento de poesia


Dissertação sobre o silêncio…


Há sempre uma porta

ou uma janela

que nunca se fecham

talvez só a luz branca da Lua

penetre a opacidade dos silêncios

as mãos ainda ardem

de apagar os fogos que ateei,

e de raspar as ervas dos muros

para quebrar as grades do degredo,

assim posso voltar a ver as cores lavadas

de todas as madrugadas

e violar o teu silêncio em segredo.

Alexandre de Castro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime