O combate da civilização contra a barbárie

Massacres em Istambul, Damasco ou Bagdad não aterrorizaram os europeus, apesar de a primeira cidade se encontrar no seu continente, e ainda menos os da estância de Bassam ou de Ouagadougou, porque a Costa do Marfim ou o Burkina Faso são países arredados da geografia das preocupações europeias. O ataque suicida, em Lahore, contra a minoria cristã, no domingo de Páscoa, fez mais de 70 mortos e 280 feridos, num parque infantil, mas o Paquistão fica longe e as notícias foram parcas e efémeras!

Nova Iorque comoveu o mundo civilizado, esquecido dos seus erros e crimes e da troca de princípios por interesses. As Torres Gémeas sepultaram milhares de inocentes e houve um clamor internacional, mas quando se esperaria a severa punição da Arábia Saudita, cuja origem e financiamento do ataque esteve na base dessa tragédia, quatro ‘Cruzados’ atacaram… o Iraque, liderados por Bush, aconselhado por Deus –, disse ele.

Agora, depois de Madrid, em 2004, Londres, em 2005, Paris (janeiro e novembro), em 2015 e Bruxelas, em 2016, a Europa hesita entre a cedência dos valores e a resposta aos ataques que levam o medo e a desconfiança, que promovem a xenofobia e o racismo.

Os europeus estão cansados de ouvir dizer que o Islão é pacífico, como, aliás, todas as religiões. Não há a mais leve suspeita ou o menor indício de que isso seja verdade, nem a História o confirma. A civilização, de que nos reclamamos, permite combater todas as ideologias políticas, da social-democracia ao fascismo, do liberalismo ao comunismo, mas inibe o combate às religiões, por mais insanos que sejam os princípios e obsoletos os seus livros sagrados. A blasfémia ainda é crime em várias democracias!

Os partidos políticos combatem opções de partidos rivais, sem bombas, mas as religiões são livres de apelar à violência em nome do seu deus e de organizarem o proselitismo, exortando à violência nos templos e fanatizando crianças nas escolas.

O problema europeu não é com muçulmanos nem com o radicalismo islâmico, é mesmo com o Islão, um problema sério e insanável que, à semelhança do que sucedeu já com o cristianismo, se resolve com a repressão política ao seu clero.

Não é com diálogo entre as religiões que se combate o terrorismo, é com a exigência do respeito pela Declaração Universal dos Direitos Humanos a todas as religiões e a todos os indivíduos, crentes e não crentes, autóctones, imigrantes e refugiados.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

e-pá! disse…
A tolerância e os decorrentes códices cívicos (deixemos de fora os canónicos) impostos pelas religiões - todas os impõem à sua 'maneira' - é um assunto que revela muitas facetas.

Essa tolerância, quando existiu, foi sempre difícil de dimensionar e interpretar. A distancia entre tolerância e complacência (ou indiferença) é muito ténue.
O 'caso andaluz' muito referido historicamente diz respeito essencialmente à dimensão cultural que permitiu durante a ocupação até à queda de Granada a sobrevivência de alguns resquícios da cultura clássica (grego-romana).

Mas esse (glorioso) facto é concomitante de uma outra condição: o esplendor da civilização muçulmana, isto é, a supremacia militar, económica, científica e artística.
Quando, no séc. XI, o califado de Cordova começa a 'implodeir' e a Andaluzia divide-se (fragmenta-se) em pequenos 'reinos' (Taifas), logo regressa a intolerância que mostra altamente subsidiária das lutas e confrontos bélicos (conquistas e reconquistas) entre mouros e cristãos, tão exaltadas nas cartilhas escolares que muitos de nós tivemos sobre as carteiras da escola primária.
De notar que 'taifa' em castelhano significa 'ruína'...

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …