Doutrinar, alienar e aliciar...




Segundo a edição on line do The Guardian o Estado Islâmico aposta na doutrinação de crianças que vivem sob a sua alçada… link.

A Fundação Quilliam vem denunciando a participação de crianças e adolescentes nos habituais massacres do Daesh. Entre eles uma execução colectiva de duas dezenas de soldados sírios ocorrida na cidade histórica de Palmira link.

A brutalidade destes procedimentos não é desconhecida do Mundo. Em Março de 1922 com os mesmos princípios foram criadas as Jungmannschaften que incorporaram rapazes dos 14 aos 18 anos.  Em 1928 foi criada uma outra organização que integrava jovens de grupos etários mais baixos (10 aos 14 anos) sob a designação de Deutsche Knabenschaft

Quando Adolf Hitler conquistou o poder as múltiplas organizações entretanto surgidas foram fundidas nas Juventudes Hitlerianas (JH). De notar que essas ‘juventudes’ não albergavam exclusivamente jovens identificados partidariamente com o partido nazi. 
Não devemos esquecer as motivações de índole religiosa, como por exemplo, a Evangelische Jugend inegavelmente conotada com o luteranismo e que em 1931 agrupou largas centenas de milhares de aderentes às JH. Portanto, as derivas fundamentalistas religiosas não estão fora deste tenebroso processo.

O que se passa nos territórios dominados pelo Daesh não foge a este senda histórica. Outros exemplos poderiam ser citados – embora comportando gradientes e circinstâncias diferentes – por apresentarem similitudes mobilizadoras. São os casos da Mocidade Portuguesa (Portugal), Movimento Nacionalista (Espanha), Opera Nationale Ballili e os Arditi (Itália), EON (Grécia), Belli Orlovi /Águias Croatas (Croácia), etc. . Para nos atermos à época da II Guerra Mundial.

Politicamente, existe um conceito que sempre interessou aos partidos políticos e à sociedade: o problema do ‘homem novo’. 

O problema da doutrinação da juventude sempre foi um assunto muito delicado. Os jovens por circunstâncias ditas fisiológicas, psicológicas e estruturais reúnem algumas condições aliciadoras: são inocentes, incautos, crédulos e não têm experiência de vida (imaturos). Existe concomitantemente alguns fascínios peculiares: pelos uniformes, pelo exercício físico (disciplinador e subordinante), pela vida ao ar livre (campismo), pela ‘ordem unida’, etc.

São esses os passos que o Daesh está a dar com grande determinação e pensamento estratégico. Eles poderão ser mais duradouros e profícuo do que as posições militares e territoriais que agora ocupam.

O recrutamento de mais de 1 milhar de jihadistas por mês, muito deles jovens, é um tremendo desafio ao futuro da Humanidade. Infelizmente para combater esta hecatombe em acelerada marcha pouco mais vemos do que hesitações. 

A História para além dos exemplos anunciados também nos ensina que contemporizar é imolar vidas (muitas delas pertencentes a jovens) e contribuir para um desastroso retrocesso civilizacional.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …