O Ocidente de novo em apuros…

A educação, doutrinação e eventual radicalização dos muçulmanos funcionou durante séculos nas madraças adstritas às mesquitas através de escritos (arabescos) e da leitura e interpretação do Corão feita por muftis. 

Há cerca de uma dezena de anos ainda funcionava deste modo. Os esparsos incidentes que aconteceram foram sempre desvalorizados como sendo obra de fanáticos e marginais debaixo da afirmação de que o Islão era outra coisa. Isto é, uma religião de paz e misericórdia. 

Entretanto, se passarmos ao lado da grande escola de difusão do fundamentalismo que é a Arábia saudita e olharmos para a sua doutrina wahabita (sunita), com quem o Ocidente aceitou contemporizar em troca dos dinheiros do petróleo, verificamos que sempre existiram diversos (graves) incidentes internacionais, entre eles, as 'guerras israelo-palestinas' (hoje 'esquecidas').

Os mais recentes e gravíssimos incidentes acirraram toda esta cascata de doutrinação islamita. Primeiro, o Afeganistão e as sucessivas intervenções da ex-URSS e depois dos EUA/NATO, que fizeram o mundo despertar para um novo grupo: os talibãs. Estes não são os adolescentes pouco cultos, semialfabetizados nos caracteres árabes, aprendizes acríticos dos versículos corânicos para poderem frequentar as mesquitas e aí orar, mas uma nova estirpe - os ‘estudantes’ (da teologia) do Islão  - que rapidamente se transformaram em jihadistas e passam a adoptar a violência, a cultivar as guerras santas, a lançar fatwas, numa incessante e fratricida luta pela supremacia entre os ramos do islamismo (sunitas e xiitas). 

Depois, nomeadamente com a globalização decorrente da queda do muro de Berlim, foram aparecendo em catadupa (para consolidação da prédica salafista) múltiplos pretextos capazes (e eficazes) de expandir o jihadismo. Nomeadamente, dois grandes acontecimentos geo-políticos recentes: a invasão do Iraque e as chamadas ‘primaveras árabes’. 

A invasão do Iraque, pela maneira como foi conduzida e pela arrogância bélica induzida e subjacente, baseada em falsas premissas (armas de destruição massiva) e espúrios conceitos (instaurar a democracia) criou um novo ‘estilo’ de (re)acção – o jihadismo anti-ocidental. Um novo tipo de jihadismo que continua a beber na doutrina islâmica mas tem outro posicionamento estratégico já que não se confina às ‘Arábias’: nasce e vive (segregado) em território ocidental (europeu), substituiu as madraças pelas redes sociais, as adagas por Kalashnikovs e os camelos por jipes todo o terreno com metralhadoras na caixa.

O segundo grande golpe foram as chamadas ‘Primaveras Árabes’ que alimentam e fomentam hostilidades internas baseadas em nobres conceitos democráticos e anti-ditatoriais, derrubam tiranos mas são incapazes de conter o surgimento de uma nova vaga de países islâmicos dominados pelo fundamentalismo ou, ainda pior, como o que se verifica na Líbia, podem destruir um País e entregá-lo a sanguinários 'senhores da guerra'. 

Tendo varrido quase todo o Norte de África islâmico, passando ao lado do Egipto onde só conseguiram substituir a velha ditadura militar por outra mais jovem, chegam à Síria, onde semeavam ventos e tempestades. Na Síria o jihadismo verificou estar entalado entre as velhas ambições otomanas, a força persa e os problemas curdos e jogou forte e feio no dilema interno: sunitas contra xiitas. O Ocidente resolveu permanecer calado e quedo, manietado pela pressão sunita oriunda do reino saudita e apostou na queda rápida do alauita (xiita) Bashar al Assad. Nem tudo correu bem – nomeadamente após a intervenção da Rússia - e a tempestade com o epicentro no Médio Oriente foi ganhando força regional e ‘continental’. 
Hoje os ventos desta vaga de ‘jihadismo anti-ocidental’, cada vez mais informe, oculta e poderosa (bem financiada), varrem toda a Europa. Chegam a Bruxelas, como já chegaram a Londres, Madrid, Copenhaga, Paris, etc. 

Quando se reflecte sobre este sucinto e esquemático transito político, histórico e regional temos a noção de que o problema é muito maior (difícil) mas por outro lado cresce todos os dias a convicção de que a solução ‘global’ não é implementando medidas securitárias que ponham a Europa – e os seus cidadãos - a ferro e fogo. 
E o problema grave (humanitário) é que não havendo capacidade política - nem lideres capazes - de encontrar soluções globais (económicas, financeiras, sociais e até religiosas) possivelmente surgirão ‘soluções finais’ (de horrorosa memória) que já se desenham nos movimentos da ultra-direita nacionalista europeia, em franco crescimento e ebulição e têm eco na burlesca campanha que Donald Trump desenvolve nos EUA. Este o drama do Ocidente.

Comentários

e-pá! disse…
Apostilha:

Não sendo possível controlar a Turquia (por mais acordos que se tentem) sempre boicotados pela falsidade e duplicidade de Erdogan (mais interessado no problema curdo) a primeira atitude de força que a UE tem de tomar contra o Daesh é neutralizar a produção dos poços de petróleo de Mossul e as refinarias de Shaaar e Baiji.
Bater onde mais dói e donde vem o folego financeiro. Um território com a dimensão da Grã-Bretanha não se alimenta de doutrinas fanáticas. Quando faltar o 'pilim' vão existir novas saídas para esta crise.
Depois haverá outras medidas a tomar (fundamentalmente políticas) mas ignorando a primordial só estamos a aumentar o número de vítimas.
A história de 'não colocar as botas no terreno' não pode perdurar por mais tempo. Se assim for esse 'trauma histórico' vai assentar sobre um amontoado de vítimas.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975