As boas intenções dos cortes salariais

O Diário Económico, de hoje, diz que o «corte de 10% na função pública é incentivo às rescisões», donde se conclui que não é desejo do Governo reduzir os salários mas tão só ver-se livre dos funcionários.

Sendo, pois, a decisão um meio, e não um fim, é de esperar que, finalmente, o Governo tenha encontrado o método adequado aos seus intentos e, no caso de falhar a benemérita intenção, resta-lhe prosseguir o rumo e aumentar progressivamente a percentagem. E se, mesmo assim, depois de atingidos os 100% de redução do salário, ainda houver alguns que teimem em regressar diariamente às repartições, ficam as carreiras especiais para os dissuadir. Não há funcionário sem vencimento que resista a uma boa carga policial.

Aos empregados é preciso estimulá-los à mudança, vencer-lhes a inércia, afastá-los das rotinas. Bastam os pensionistas, que já não podem ser corridos das repartições públicas e, apenas, se lhes pode reduzir o valor das pensões, até preferirem à vida a defunção.

Depois das sábias palavras do banqueiro Fernando Ulrich, «ai aguentam, aguentam…», o Governo está sempre receoso de que a violência das medidas seja escassa e a teimosia da sobrevivência dos desempregados e reformados se converta num beco sem saída para a missão messiânica de que se julga portador.

A avaliar pelas últimas sondagens, os partidos do Governo têm ampliado a popularidade e preparam-se para insistir nas medidas que o mago das Finanças, revezado na desgraça pela sua ajudante, reconheceu terem falhado.

É de crer que, tal como no tempo de Salazar, os mortos votem. Afinal, são dos poucos que não têm sofrido com as medidas governamentais e, alguns, até lhe devem a rápida promoção a defuntos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime