DE COMO UM ESQUERDISTA É LEVADO A TER SAUDADES DE ESTADISTAS DE DIREITA

Sou de esquerda desde os meus tempos de estudante, na longínqua década de 60 do século passado. Acompanhei com entusiasmo, embora de longe por estar em Portugal, a revolta de Maio de 1968 em França contra o conservadorismo reinante. Nessa altura o representante máximo desse conservadorismo era o Presidente De Gaulle.

Depois do 25 de Abril, sendo socialista, sempre fui contra o então PPD e o seu líder Sá Carneiro.

Pois hoje, continuando a ser socialista, tenho saudades de De Gaulle e de Sá Carneiro. (Sei muito bem que a História não é feita por simples indivíduos, mas o certo é que estes também contam para a sua marcha.)

O meu sonho era ver a megera teutónica, a Merkel, encontrar pela frente não o minúsculo Hollande – que é a vergonha da França e do socialismo – mas um Homem a sério como De Gaulle. Tenho a certeza de que ela não mandaria na Europa como manda. Seria reduzida à sua insignificância.

Do mesmo modo, quando olho para o rastejante Passos Coelho, sinto saudades de Sá Carneiro. Se fosse ele que estivesse hoje à frente do PPD/”PSD” de certeza que Portugal não seria a prostituta internacional em que a corja que domina o País o transformou.

A que abismos descemos com tais “dirigentes”!

Comentários

Já estou a ouvir a cambada a repetir a cassete do costume: "A culpa é do Sócrates!" "A culpa é do Tribunal Constitucional!"

A isso já não respondo, pois receio não ser capaz de responder sem ser malcriadamente!
Antes essa direita do que esta esquerda.

Essa direita foi da Resistência.

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …