O ovo da serpente (…que nos saiu na rifa)



A ‘aclaração’ exigida pela maioria governamental -  através de uma despudorada instrumentalização do Parlamento -  dirigida ao Tribunal Constitucional link , deveria de ser precedida de uma inadiável clarificação política [que já deveria ter acontecido 'ontem'].

A saber: Após a macabra sequência oito chumbos de legislação que esbarraram no crivo constitucional (em 3 anos!), o Governo tem condições políticas internas para continuar a exercer as suas funções?

Existirão duas respostas lineares.
Uma, a dos ‘mercados’ que consideram a realização de eleições uma ‘insuportável’ desestabilização e rejeitam liminarmente qualquer mudança de rumo; outra, dos portugueses que estão fartos das diatribes neoliberais deste Governo e não entendem como tantas inconstitucionalidades continuam a ser consideradas inimputáveis factos políticos.
Pelo meio está o Presidente da República que virou ‘fantasma’ e se entrincheirou em Belém a chocar o ovo desta áspide que - é cada vez mais evidente - está apostada em estrangular a Democracia.

Como se verificou no filme realizado por Bergman a imagem que mais esta 'intervenção' do Governo suscita encaixa-se perfeitamente na fala de Brutus escrita na clássica tragédia de Shakespeare – ‘Julius Caeser’:
And therefore think him as a serpent's egg
Which hatch'd, would, as his kind grow mischievous;
And kill him in the Shell”…

Comentários

Agostinho disse…
Entretanto o tal vai dizendo que os juízes do TC são mal escolhidos, ou seja, quer ele escolhê-los.Já não há pachorra para ouvi-lo. Quanto ao outro está no carmelo remetido ao voto de silêncio e inação a bem da nação.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975