Espaço dos leitores

Paula Rego

Comentários

Anónimo disse…
A resma

Tenho por hábito de longa data, frequentar com assiduidade uma conhecida e histórica Instituição Cultural de Lisboa.
É um atavismo que conservo, porque não dispenso manter-me a par da informação produzida acerca dos diversos eventos a decorrer na cidade.
Assim sendo, costumo deter-me largos momentos, junto dos escaparates existentes no átrio de entrada, nos quais está exposta abundante e variada documentação sobre as mais diversas manifestações ligadas às artes.
Eis senão quando, para meu espanto, deparo com uma resma de papéis envolta num elástico e capeada por uma folha branca, estrategicamente colocada no expositor, que rezava, perdão, dizia assim:
“Referendo ao aborto sim ou não”
As palavras estavam escritas com o mesmo tipo de letra, com excepção do “não”, que
surgia sublinhado, a bold, em maiúsculas e com letras duma dimensão muito maior do que as restantes. No interior, como era de prever, estava escarrapachada a litania do costume enquadrada por fotografias e slogans mais ou menos patéticos.
Não tanto pela existência do dito panfleto, mas sobretudo pela habilidade capciosa que o mesmo evidenciava, apresentei o meu protesto junto de quem, de imediato, jogou a papelada no cesto do lixo.
Depois, segui até aos lavabos na expectativa de lá encontrar outro exemplar, mas, desta feita nada vi.
Não sei porquê, continuo convencido que, antes de mim, alguém terá por lá passado e puxado o autoclismo.

jrd
Marques Mendes quando compara a descrimilazizacão do aborto à Droga sabe do que fala.


No julgamento da Maia (ao contrário do que tem dito a campanha do “não”, quando foi possível apurar o tempo de gestação tinham menos de 10 semanas de gravidez) foram arguídas seis desempregadas, duas operárias, uma cozinheira, uma costureira, uma cabeleireira, uma recepcionista e três empregadas do comércio. Estas são as vítimas desta lei. E as vitimas da clandestinidade e de quem lucra com ela. O cofre que foi encontrado na “clínica” clandestina mostra o que os «nossos impostos» não podem pagar:


Carla, 26 anos, deixou 2 fios, 4 pulseiras de criança e um anel;
Carminda, 31 anos, três filhos, separada e desempregada, tinha de pagar 92 contos, pagou 45, uma medalha de ouro e ficou a dever o resto;
Rita, 36 anos, operária, deixou ficar o anel de noivado e dois cheques;
Teresa, 27 anos, cozinheira, com um relacionamento esporádico, pagou 40 contos, um fio, três anéis, uma aliança e um par de brincos;
Piedade, 34 anos, empregada de balcão, deixou cinquenta contos e dois anéis;
Maria João, 38 anos, cabeleireira, dois filhos, sem relação estável, deixou 70 contos e uma pulseira;
Maria Manuela, 35 anos, recepcionista, deixou 15 contos e um cordão de ouro;
Sandra, 18 anos, pediram cem contos, deixou quarenta, um fio de ouro, um anel, uma pulseira e ficou a dever trinta contos;
Paula, 19 anos, desempregada, seis semanas de gravidez, 45 contos e uma pulseira.


No cofre havia 26 fios, 13 pulseiras, cinco libras, 19 anéis, um cordão, duas alianças, quatro pares de brincos, três relógios e três alfinetes de ouro.

Nomes fictícios.

Mensagens populares deste blogue

Associação Ateísta Portuguesa (AAP) - RTP-1