Não ao «não»

Sob o título em epígrafe, Gonçalo Capitão, uma das mais lúcidas cabeças do PSD de Coimbra e, por isso, das mais incómodas, defende, sem surpresas, o SIM no próximo referendo.

Admirar-se-á quem tem andado desatento ao percurso do antigo deputado do PSD e à sua frequente intervenção cívica no «Diário as Beiras».

É um adversário que me habituei a respeitar, há muito.

Ler «Não ao ‘não’».

Comentários

Anónimo disse…
O PS e o PSD cada vez mais se confundem.
Fazem parte de uma direita que urge correr do poder para bem dos trabalhadores.
Carlos Esperança disse…
Camisa azul:

Gosta mais da exterma-direita, não é?
Anónimo disse…
Este referendo não é uma questão partidária. É uma questão de se ser ou não hipócrita, é uma questão de civilidade e é uma questão de respeito pela dignidade da pessoa humana.
Voto sim à não condenação da mulher e pela sua dignidade.
Anónimo disse…
Como "partido de centro" que se diz, o PSD deveria ter vergonha em se abster nesta questão.

Diogo.
Anónimo disse…
Existe uma questão central nesta sociedade hipócrita. Então e os pais (não as mães).
Até agora um pai não era condenado/julgado de igual qd a mulher fazia um aborto muitas vezes forçada por si, mas agora um pai não pode nada dizer sobre o aborto que a mãe quer realizar.
E se, num caso em que não vivam conjuntamente, o pai quiser assumir a responsbilidade de a criar a criança? A mão tem o direito de abortar? Neste referendo terá, pq a IVG é a pedido da mulher, não é a pedido consensual (tb traria problemas) e sobretudo não pede aos pais qq responsabilidade nisto tudo.

Os políticos, maioritariamente homens, e a sociedade portuguesa é das mais hipócritas e machistas da Europa, mas com um machismo diferente de um encontrado em Itália ou Espanha. Aí é vísivel, está nas ruas e pode-se combater, cá é dentro das paredes, dizemos que não existe ou é menor.

Como em tudo, numa sociedade profundamente enraízada em tradições católicas medievais, mesmo os defensores do não, ateístas ou não, caem nessas garras da tradição: a mulher é a única responsável pela gravidez e portanto a única responsável pela decisão do aborto, enfim, subdesenvolvidos em tudo, subdesenvolvidos qd queremos adoptar normas de modernidade, fazê-mo-lo sempre da forma subdesenvolvida (exemplo claro é quando os políticos dizem: "vamos adoptar as normas mais modernas da Europa", este é argumento dos países africanos).
Carlos Esperança disse…
Anonymous Qua Jan 31, 07:19:00 PM:

Não percebo como, a propósito de uma eventual lei, idêntica à que existe na generalidade dos países da Europa (até mais restritiva) pode tirar conclusões desfavoráveis a Portugal e aos portugueses.

Quando se tem uma decisão de voto já tomada a lógica não é importante.
Anónimo disse…
Finalmente o "camisa azul" tirou a dita. Pudera! Já devia estar tão tesa de porcaria que em vez de a pendurar, encostava-a à parede.
Foi o mau cheiro que o traíu, o mau cheiro e a linguagem que é própria de quem quer a armar aos cágados, mas não engana ninguém.
Caros leitores:

O 2.º Comentário era do «Camisa Azul» que resolveu retirá-lo.

Sem fascistas o ar fica mais limpo.
Camisa Azul disse…
Gosto mais de Portugal
Camisa Azul disse…
O ar ficava mais limpo se o seu amigo Sócrates resolvesse retirar a co-incineração de Coimbra e do país.
Anónimo disse…
A queima de resíduos perigosos em Coimbra é fundamental. Temos absoluta necessidade de queimar resíuos que poluem Coimbra do tipo:
Paulo Pereira Coelho
Jaime Soares
Vitor Batista
Luis Vilar
É fundamental
Anónimo disse…
Pode juntar a esse embrilho o tal Camisa Azul

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975