A Paulo Macedo - GGCI/OD

Se este homem insubstituível franze o sobrolho
Dois reinos estremecem
Se este homem insubstituível morre
O mundo inteiro se aflige como a mãe sem leite para o filho
Se este homem insubstituível ressuscitasse ao oitavo dia
Não acharia em todo o império uma vaga de porteiro.

Bertolt Brecht

Comentários

Anónimo disse…
Rua com esse chupista hipócrita.
Já.
Anónimo disse…
Bertold Brecht é um homem dominado, quer na dramaturgia, quer na poesia, pelos conceitos épicos e dialécticos.
Para ele, épico, significava, acima de tudo, o distanciamento. Pensava que aprentando as pequenas coisas quotidianas como distantes, no espaço e no tempo, as pessoas construiam uma visão crítica da sociedade.
É por isso que, a poesia integrante do post, encaixa no problema de Paulo Macedo que, em última análise, glosa com o conceito de perda e insubstituibilidade. Tenta fazer uma ponte entre a emoção ou a afectividade e o raciocínio. Estimula a compreensão dos factos. Dessas novas compreensões nascem as atitudes transformadoras que nos levam a mudar.
É isso que, Paulo Macedo, de indiscutivel eficiência profissional, teme. Acabará sempre por condicionar o seu trabalho à sua pia observância do País, absolutamente não-dialética. É este comportamento piedoso que o tolhe na sociedade civil e o acabou por o expor na manobra política. Os passos liturgicos por onde enveredou são fechados, ritualizantes e não se distanciam dos arquetipos unificadores, na verdade, conservadores e totalmente redutores das transformações (ou substituições).
Uma visão dialéctica do seu problema (na DGCI) é-lhe fatal.

Há um dito popular que resume o texto de Brecht:
"O cemitério está cheio de insubstituíveis."
Anónimo disse…
Caro Sr. Dr. Carlos Esperança.

O Sr. é um homem com opinião forte, não obstante os "sapos" que tem andado a engolir. Pois o Sr defende o PS, mas este, quer pelas acções, quer ainda por intermédio de certos personagens socialistas fazem coisas que lhe roem a alma. Mas apesar de tudo não tem abdicado da defesa dos amigos socialistas.
Porém, esta questão do Dr. Paulo Macedo é, considerando aquilo que o Sr. mostrou ser até este momento, motivo que baste para dizer que este governo não poderá ver mais o seu voto nem a sua defesa. Se assim agir respeitá-lo-ei imensamente. Doutro modo deixarei de o pensar como pessoa de bem. Aliás, passará a ser, para mim,um mero conhecedor[profundo]da gramática portuguesa, ensinada quiçá por algum jesuíta.
Anónimo disse…
Anónimo Qui Jan 18, 03:48:52 PM:

1 - Não tenho qualquer título académico, patente ou venera;

2 - Não engulo sapos nem sou sensível a qualquer tipo de coacção;

3 - Determino-me por motivos, valores e convicções;

4 - Terá reparado como não me conformo com a cobardia na denúncia dos voos da CIA;

5 - Pode ter a certeza de que nunca votarei num partido cujas convicções democráticas não me pareçam sólidas;

6 - Por democracia, entendo o pluralismo ideológico e a possibilidade do rotativismo partidário.

P.S. Nunca frequentei estabelecimentos eclesiásticos mas, uma vez que falou em jesuítas, o padre António Vieira é uma referência.
Anónimo disse…
A propósito, veja no politicaehouse o desafio que lhe foi lançado.

Mas está satisfeito com tudo isto?
Anónimo disse…
Como leitor do politaehouse não vejo nenhum desafio a qualquer português. Só chove no molhado!
Mano 69 disse…
E já agora qual é a citação?
Anónimo disse…
Eu "estrabucho" como tantos outros pois pagamos.
Que pagou e quanto, por exemplo, a figura que a esta hora no canal público lhe está (mais uma vez) a ser dado tempo de antena?.
Desemprego, precaridade de, fome, flexibilizações, e etc.; porque se continua a Massacrar as pessoas; já chega a homilia dos Domingos.
Anónimo disse…
O senhor conceiçao fez um post em que dizia que o Dr. Paulo Macedo andava a distribuir agendas com uma citação de Escriva de Balaguer. Eu ainda não sei qual é essa citação e gostava que o senhor me dissesse qual é.
Anónimo disse…
O Paulo Macedo preconiza tudo o que não é a maioria de políticos desde o 25 de abril. É um trabalhador de gabarito chamado para a política. NÃO É UM POLÍTICO CHAMADO PARA O TRABALHO!

Eu conheço um partido que sempre gostou destes últimos.Felizmente têm vindo a ganhar algum juizo!
Anónimo disse…
Mas se o fulano é tão bom assim porque não vai fazer pela vida numa actividade privada. Ganhava o que lhe pagassem e ninguém tinha nada com isso.
Agora andar a picar a cabeça do desgraçado do contribuinte para suportar o brutal despesismo do estado não é coisa que se tolere por muito tempo...
Anónimo disse…
Despesismo?! Ele recebe 20000 euros. Agora informe-se do que ele dá a ganhar.

Sabes que não é facil ir buscar bons profissionais ao mercado de trabalho. Recebem muito e raramente estão dispostos a abdicar disso. A outra opção é teres lá vigaristas que fizeram carreira em partidos políticos a colar cartazes e a andar a apitar de carro...
Mano 69 disse…
Carlos Esperança qual é a citação?

Se é que você sabe...

Mensagens populares deste blogue

Divagando sobre barretes e 'experiências'…