I V G - Recordar Natália Correia


Agora que temos novo referendo sobre a IVG aqui fica o poema de Natália Correia para recordarmos:

«O acto sexual é para ter filhos» - disse na Assembleia da República, no dia 3 de Abril de 1982, o então deputado do CDS João Morgado num debate sobre a legalização do aborto.

A resposta de Natália Correia, em poema - publicado depois pelo Diário de Lisboa em 5 de Abril desse ano - fez rir todas as bancadas parlamentares, sem excepção, tendo os trabalhos parlamentares sido interrompidos por isso:


Já que o coito - diz Morgado -
tem como fim cristalino,
preciso e imaculado
fazer menina ou menino;

e cada vez que o varão
sexual petisco manduca,
temos na procriação
prova de que houve truca-truca.

Sendo pai só de um rebento,
lógica é a conclusão
de que o viril instrumento
só usou - parca ração! -

uma vez. E se a função
faz o órgão - diz o ditado -
consumada essa excepção,
ficou capado o Morgado.

( Natália Correia - 3 de Abril de 1982 )

Comentários

Anónimo disse…
A poesia repentista e sarcástica de Natália Correia faz falta nesta campanha (referendo de 11 Fev 07) sobre a despenalização da IVG até às 10 semanas.

Ontem, numa conferência de imprensa dos movimentos pelo Não, foi possível aos telespectadores portugueses ver e ouvir uma infame manipulação da opinião pública.
Disse-se, entre muitas incorrecções e sistemáticas deturpações, o seguinte:

- os movimentos pelo Não são independentes dos partidos políticos e das confissões religiosas !
- o próximo acto referendário versa a "liberalização total do aborto"!
- a realização de IVG's nos serviços públicos ou convencionados vai prejudicar o tratamento de doentes oncológicos, ...!
- Os dirieitos constitucionais dos portugueses à saúde, enquadrados no "sistema" nacional de sáude ...!

É isso mesmo que move os movimentos pelo Não - o "sistema" e não o SERVIÇO.

Esquecem-se, todavia, que o ridículo "mata" como, tão contundentemente, Natália demonstrou com os expontâneos versos dirigidos ao então deputado João Morgado

Mensagens populares deste blogue

Associação Ateísta Portuguesa (AAP) - RTP-1