Algumas notas sem título

Não, não é por masoquismo que oiço Passos Coelho e, muito menos, com a arrogância intelectual de quem se julga superior. Aliás, interrogo-me sobre o meu carácter quando o nível de desprezo atinge proporções de que me julgava moralmente incapaz.

Sei que um imperador romano fez cônsul um cavalo como Relvas fez primeiro-ministro Passos Coelho. Há instantes de leviandade na vida de todos nós e o ataque ad hominem é quase sempre pusilânime, mas não sei como fugir-lhe.

Ouvi o putativo líder do PSD a debitar inanidades na apresentação do candidato apoiado pelo PSD/ CDS à Câmara Municipal da Amadora, com igual convicção à do PR quando  diz que ainda está para nascer um homem mais sério do que ele.

Era um homem isolado, um erro de casting no ecrã da televisão onde parecia dirigir-se a uma sala donde, quando as pausas do discurso se prolongavam, saíam palmas gravadas ou de encomenda. Não vi os candidatos, nem a força pública, nem o público à força. Só Passos Coelho com o entusiasmo com que os bois vão para o açougue.

Este apontamento deve-se ao facto de PPC ter afirmado «não ter medo do resultado das eleições autárquicas, nem das europeias, nem dos portugueses, nem do seu julgamento».

Decididamente, Passos Coelho deixou de temer o ridículo. Quando, perante o milhão de desempregados, o aumento da dívida, a devastação do tecido económico e a destruição do País, se perde o medo ao julgamento dos portugueses, é porque o autismo o atingiu, a insânia o afetou e as sinapses dos neurónios deixaram de conectar-se.

Se não fossem os males do País tínhamos obrigação de olhar por ele. No aniversário da sua vitória nas legislativas, Passos Coelho transformou um comício num velório.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?