Creio na ressurreição e no ámen, só não acredito na vida eterna

Há dois anos vi-me suspenso, por duas jovens enfermeiras, a caminho do banho. Pensei que quatro décadas antes não seriam elas a levar-me, inversa seria a situação, mas não adivinhava o que sucedera e porque não me obedecia o corpo.

Descri da minha identidade, pedi a um enfermeiro para ver na NET o meu nome, queria certificar-me de quem era. Vi a minha mulher, reconheci-lhe a voz doce a segredar-me que fora grave a situação, dir-me-ia tudo à medida que perguntasse e preveniu-me para ter cuidado com o que dizia, carregava falsas memórias, já tinha inventado um cancro a uma amiga, reformado outra, com 40 anos, e concebido tolices várias.

O lençol pesava como uma montanha que me esmagasse os dedos, o corpo era como um vegetal movido pela força braçal de quem de mim cuidava. Lembrei-me de ter saído de casa com vómitos incoercíveis e dores abdominais violentas mas não estabelecia o nexo de causa e efeito. Não acreditaria ter passado dois meses sem memória.

Pedi o jornal e vi o que lá vinha, mas tiveram de segurar-mo. Era pesado como chumbo o diabo do papel. Li e fiquei feliz, sem euforia. Quis escrever. Só saíram riscos da luta da esferográfica contra o papel que me fugia. Que raio de vida! Afinal, não podia com o peso da esferográfica. E não falava ou não me fazia entender. Devo ter ficado naquele quarto, isolado, a fazer o desmame do propofol.

Poucos dias depois  tive alta. Ora de cadeira de rodas, ora ao colo de voluntários, entrei e saí de um táxi, do hospital para casa. Levaram-me ao colo até ao quarto, onde tudo era familiar. Não conseguia pôr-me de pé mas sentia ter valido a pena, fosse o que fosse que me tivesse acontecido, para desfrutar, por um dia que fosse, a ternura da mulher, contida na exteriorização dos afetos mas intensa na dedicação e no amor incessante de sempre.

Afinal, na sequência da colecistectomia laparoscópica, na primeira vez que adoeci, uma bactéria tomou conta dos pulmões, primeiro, do fígado a seguir e, finalmente, dos rins, à falsa fé, sem a mais leve noção da minha parte, alvo de transfusões e diálise, sem saber, ainda hoje, porque não desligaram a máquina que me amarrou 52 dias após a cirurgia que precedeu o coma profundo que me reduziu a um vegetal esburacado com tubos, que a minha mulher observava aflita e emocionada, todas as horas consentidas em cada dia.

Gozei as delícias do nada de que falava Schopenhauer. Sofreram a mulher e os filhos, os irmãos e os amigos, e reiniciei a vida como criança, precisando de mão alheia para dar os primeiros passos, comer, voltar ao mundo dos vivos depois de ter experimentado a dimensão em que só existe o nada, sem um ser imaginário para me julgar, um rio de mel ou, pelo menos, uma das 72 virgens que aguardam os facínoras que a fé torna violentos.

Aprendi com uma pseudomona multirresistente que vale mais um só dia vivo do que a eternidade morto. E soube, como se não tivesse adivinhado em cada dia de tantos anos, do que uma mulher pode, da dádiva da vida de que é capaz, da reserva de amor que tem.

Há dois anos, no dia de hoje, 61 dias depois, regressei a casa, desmorrido.

quinta-feira, 12 de Junho de 2013
Carlos Esperança

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

José Batista disse…
Comovente este (seu) texto.

Viva a Ressurreição, de que os portugueses em geral precisam tanto...

Tenho uma familiar muito próxima que tem que extrair a vesícula - não lhe direi que li este texto de belos afectos.
José Batista:

Com os meus agradecimentos pelas suas palavras, pode dizer ao seu familiar que se trata de uma intervenção banal.

No dia seguinte, a minha mulher ia buscar-me quando lhe disseram que eu tinha ido para a reanimação.

São acidentes raros.
MR disse…
E é com imensa alegria que pudemos desfrutar dos seus excelentes textos.
Bem-haja a sua ressurreição.
Que assim seja por muitos anos.
Sinto-me desvanecido. Obrigado MR.
Luís Bonito disse…
Sem dúvida um lindo texto que nos faz lembrar que hoje em dia também é fácil "morrer da cura". Especialmente quando se entra num hospital.
Fico satisfeito pelo ter tido o melhor desfecho. :-) Saudações

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?