domingo, maio 14, 2006

PSD põe condições para novo PGR...

«O PSD defende que o próximo procurador-geral da República seja um magistrado, judicial ou do Ministério Público. Paula Teixeira da Cruz, vice-presidente do partido, diz que é necessário alguém que conheça os vários corpos de investigação. Com as tensões existentes entre o poder político e judicial seria muito mau fragilizar mais as magistraturas». – lê-se na primeira página do Expresso, de hoje.

Para além da carga política destas infelizes declarações em relação à futura indigitação do próximo PGR, há algumas observações que me ocorrem:

1 – Segundo o PSD «com as tensões existentes entre o poder político e judicial» o melhor é entregar o lugar a uma das corporações.

2 – A menos que o PSD pense em Adelino Salvado, cujo perfil se ajusta à definição da dirigente social-democrata, não seria útil alguém, fora da magistratura, por exemplo, um professor de Direito ou outro jurista, ética e juridicamente inquestionável?

3 – Surpreende que se esqueça o inquérito à divulgação de escutas que incluíram o PR, o presidente da AR, António Guterres e outras altas individualidades, escândalo que põe em causa o regime democrático, cuja urgência foi exigida por Sampaio e prometida pelo ainda PGR.

4 – Depois da desolação do caso Moderna e das decepções que ameaçam constituir os casos Casa Pia e Apito Dourado, após a orgia de escutas que resultaram em pouco mais do que a devassa da vida privada de cidadãos, Presidente da República incluído,

5 – É preciso que casos como o do assassinato político de Ferro Rodrigues não fiquem impunes. Se não forem apurados os motivos e condenados os canalhas que destruíram a carreira política do ex-secretário-geral do PS, não se reabilita a Justiça.

4 Comments:

At domingo mai 14, 10:14:00 da tarde, Anonymous e-pá! said...

O PSD não tem nada que se pronunciar sobre a nomeação do novo PGR. É assim que o enquadramento legal portugês estipula.
Depois de nomeado o PGR, aí sim, o PSD (e todas as forças políticas)tem todo o direito de pronuncia-se.

Estas tiradas que considero "jogadas políticas de antecipação", nomeadamente, na actualmente sensível área judicial, não contribuem para a estabilidade do sistema democrático.
Na maior parte das vezes visam, unicamente, "queimar" personalidades ou estreitar o leque de escolha.

São arremedos de democracia participativa.

 
At segunda mai 15, 06:01:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

A Drª Paula Teixeira da Cruz tem aspecto de ser uma pessoa muito competente. Dizem mesmo que essa competência esteve na base da sua nomeação para a Vice Presidência do PSD, e já anteriormente para o governo......Ai!Ai!

 
At terça mai 16, 02:38:00 da tarde, Anonymous jagudi said...

"Com as tensões existentes entre poder político e judicial, seria muito mau fragilizar mais as magistraturas".

Mau e perigoso, conforme se está vendo. E conforme a rapaziada do grupo de forcados da minha terra já aprendeu há muito tempo!

Será a despropósito, mas há uma pergunta que anda por aí:
'O que é que aconteceu ao inquérito "urgente", para saber como é que listas de telefones e telefonemas de altas individualidades do Estado foram parar ao 'envelope 9' do processo da casa pia?'

 
At quarta fev 07, 12:35:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

What a great site arizona bellemont meridia legal New york laproscopic surgery malpractice attorney Treatment for oily acne skin Lamictal sperm count Security camera exterior Cream ice machine no rock salt with Lower extremity hair loss California lotto winning numbers 83105 Forsyth dental hygiene program Paxil atkins fetch.php pg 2&keyword meridia online

 

Enviar um comentário

<< Home