Rescisões amigáveis

Se Marques Mendes fizesse ideia do sofrimento, violência e coacção psicológica que acompanha as rescisões «amigáveis» nas empresas privadas, não teria coragem de propô-las, como projecto partidário, para a função pública.

Aliás o que impediu os Governos em que participou de avançar com tão brilhante medida?

Pior, só Martins Borges de Freitas, do CDS, que declarou que a proposta ficava aquém do que o seu partido gostaria: «Essa proposta implica o pagamento de indemnizações aos funcionários a despedir ou acordo entre as partes. A nossa visão não é essa».

Claro que, quem conhece o CDS, sabe que um regime autoritário resolveria a situação sem precisar de acordo ou pagar indemnizações. Despedia os funcionários, simplesmente.

Fonte: Diário de Notícias

Comentários

João Dias disse…
Excelente análise, Carlos. Estou de acordo com tudo o que escreveu.
Anónimo disse…
Pensava eu que vocês fossem democratas ! são uma m...já alguma vez passaram por dificuldades ? já passaram fome ? vocês sãos uns tristes !!! vocês são como o outro: temos que esperar que morram..
e-pá! disse…
A proposta de Marques mendes sobre o despedimento de funcionários públicos é... o convite ao suicídio político de Socrates.

Primeiro, doura a pílula e fala numa entidade vaga que são rescisões amigáveis;
Segundo, Socrates se enveredasse por esse caminho tinha que se entender, ao nível de direitos constitucionais, com o PSD com todas as consequências que daí advinham;
Terceiro, apetece perguntar se o grupo parlamentar do PSD não tem capacidade para, em seu nome e dando públicamente a cara, tomar essa iniciativa no Parlamento.

A obsessão doentia de Marques Mendes pelos chamados "pactos de regime" é exactamente para isso - impôr pacotes políticos antipopulares e direitistas às costas do PS. Até aqui o PS tem resistido mas, para um cidadão atento, a pressão é cada vez maior.

Fazer política de direita acaba sempre nisto: não se pode dar a mão que logo tomam o braço...

O melhor será será amigavelmente rescindir dos "fretes" à direita.
Nem de propósito. Vejam o que acabo de ler no Causa Nossa:

A grande proposta do PSD para reduzir o peso do Estado, que consistia em dispensar funcionários públicos, a troco de indemnizações a pagar por fundos comunitários, acaba de ser rechaçada liminarmente pela Comissão Europeia, com o argumento de que os dinheiros comunitários servem para criar empregos e não para o contrário.
Quando a leviandade substitui a responsabilidade, o resultado só pode ser a humilhação. Depois disto, como consubstanciar a pretensão do PSD de se apresentar como «oposição responsável e credível»?
[Publicado por vital moreira] 22.5.06
Eu concordo com o despedimento dos funcionários publicos..vamos começar já pelos 230 que estão na A.R. e sigamos pelos assessores e pessoal de gabinete!
Anónimo disse…
isto so já lá vai à bomba!!! acabar com a raça destes politicos de redoma de vidro, bem apadrinhados à esquerda e à direita. A democracia conquistada em 25 de Abril de 1974, degenerou há muito em cleptocracia ou oligarquia dos tacheiros politicos.
SATANÁS disse…
(Ai coitado do Nuno Moita se os "amigos" do Parlamento forem despedidos!... Lá terá de ir para Condeixa, alcatroar o concelho?)

Porra, isto sou só eu a pensar! Pq. não posso?

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita