A dimensão do escândalo

Sobre as empresas filatélicas que puseram compatriotas ilustres na imprensa internacional, leia-se um artigo, de hoje, no jornal

Comentários

Mano 69 disse…
Não vi no artigo nenhuma referência aos «(...)compatriotas ilustres(...)», será que o reporter não saberá a origem do espécimen?
Mano 69:

Os ilustres compatriotas ficaram prejudicados pela gravidade dos factos.

No entanto, vários jornais espanhóis têm referido o principal suspeito.
Gugas disse…
tenho conhecimento que a Afinsa ainda ontem estava a cumprir as obrigações de pagamentos de juros aos seus clientes.

pondero a possibilidade de todo este caso estar a ser empolado em grande parte pelo lobby dos bancos, a quem este tipo de empresas faz normalmente concorrência.

não digo que não existam situações menos claras ou menos legais por parte destas empresas, mas há que considerar e não esquecer que elas incomodam muito a banca.

os media, obviamente, agradecem...
e-pá! disse…
O caso ENFISA não é de modo algum uma trica de comadres nem uma mera vindicta da banca (pantagruelicamente enfartada de lucros e afeiçoada aos paraísos fiscais).

É o país que temos.
Quantos portugueses investiram neste "negócio"?
Ou noutros similares (consta que foi detectada outra empresa nos arredores de Lisboa que se dedicava a actividades afins com obras de arte).
Todos os dias temos a sensação que este País enfrondado em grandes dificuldades económicas vive de (desenrasca-se com) uma "economia paralela".

Geográfica, politica e economicamenteme na Europa (com pactos assinados)sobrevive na órbita daquilo que se convencionou chamar 3º. Mundo (com a "lei da selva").

Travestismo!
Anónimo disse…
só que Espanha não é Portugal.....felizmente
Anónimo disse…
Keep up the good work » »

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975