O Código Da Vinci queimado em Itália


A intolerância faz o seu caminho. Depois das caricaturas de Maomé que foram pretexto para desacatos da horda imensa de árabes ociosos, acicatados pela demência de mullahs, regressou à Europa o gosto pirómano contra a cultura.

As religiões monoteístas mobilizam crentes embrutecidos para protagonizarem cenas que julgávamos exclusivas da Idade Média. Na própria Europa, um romance e o filme que sobre ele foi realizado são alvos da ira eclesiástica e da fúria de crentes exaltados.

A queima em praça pública de exemplares de «O Código Da Vinci», uma iniciativa da extrema-direita italiana patrocinada por Stefano Gizzi, da Democracia Cristã, e Massimo Ruspandini, da Aliança Nacional, remete-nos para os totalitarismos do séc. XX que ensombraram a Europa.

As fogueiras são a dolorosa memória dos tempos do Santo Ofício e um perigoso indício do retrocesso civilizacional que dignitários de diversas religiões estimulam.

A ira beata contra um romance policial (bem interessante, por sinal) e respectivo filme, é uma ameaça às liberdades europeias, conquistadas através de um longo processo de secularização.

Se não formos vigilantes perante os detentores das verdades absolutas seremos vigiados de novo e a liberdade é um bem demasiado precioso para que a deixemos sacrificar no altar da intolerância e do fanatismo.

Quando se celebra o Ano Mundial do Livro há quem se excite com as fogueiras que queimam livros e incite à proibição de filmes.

Quando das caricaturas de Maomé, encontrei no PSD e no CDS aliados na defesa da liberdade de expressão. Espero achá-los de novo a execrar o comportamento violento dos díscolos que queimaram o romance de Dan Brown e querem proibir o filme.

Ponte Europa/Diário Ateísta

Comentários

SATANÁS disse…
Olhem... uma boa ideia cá para Coimbra. - "queimem o VB e o Vilarices !...
FONSECAeCOSTA disse…
O Obscurantismo, a cegueira intele-ctual e a miopia mental,nao sao ex-clusivos deste jardim `a beira mar plantado.O Patriarca da Capital, ainda que em voz mais polida e conceptualmente mais burilada, ja´
tirou o isqueiro da algibeira e passou-a para o lado...Ira´começar no interior mais seco,quente e arborizado!
Anónimo disse…
Grande imagem! (a primeira...)
Anónimo disse…
Continuo a não perceber a importância que dão a este romance .Até o próprio Dan Brown se ri ...
Pedro Bingre disse…
Não nos esqueçamos de que a Santa Sé apenas extinguiu o "Index Librorum Prohibitorum" em 1966...

Não compreendo como pode a Igreja Católica manter impune um prelado capaz de promover uma queima seja de que livros for... quando mais livros DE FICÇÃO. Que a Santa Madre Igreja se tenha sentido ameaçada com as teses de Galileu e de Darwin, compreende-se - tinha razões para isso, e demorou séculos para recuperar do temor. Agora, ter medo de um livro DE FICÇÃO? Ainda por cima de uma ficção que em termos de qualidade literária não pode competir com esse best-seller de todos os tempos, essa antologia ficcional que é a Bíblia????

O tempora, o mores!
e-pá! disse…
Papas,
Rabinos,
Muftis:

Ninguém está disponível para assistir com indiferença, assustar-se ou mentalmente sancionar novos
autos-de-fé.

Macartistas:

Ninguém está disponível para assistir com indiferença, assustar-se ou mentalmente sancionar a caça às bruxas.

Neo-nazis:

Ninguém está disponível para assistir com indiferença assustar-se ou mentalmente sancionar novas "queimas" de livros.

Aos novos pirómanos do espírito e da inteligência:

Estaremos atentos. A tragédia histótica do passado, não dará consistencia à comédia.


Na verdade vale a pena citar (relembrar) Heinrich Heine:

"ONDE SE QUEIMAM LIVROS, ACABA-SE QUEIMANDO PESSOAS".
Pedro Bingre disse…
O problema é que há mesmo gente disposta a queimar os livros, pá. Um deles chega a usar mitra...
Brecht disse…
Não sou adepto desses métodos primários,mas agora "como são livros" e como é uma coisa visivel e material muitos se revoltam( e ainda bem) mas quero lembrar que há muito que tal método já se iniciou nas ate em Pessoas não queimando-as com fogo,mas com formas mais subtis que fazem arder não ardendo.
A intolerância assume sempre várias formas.Infelizmente a cegueira é tanta que nem sempre eixa ver.
O BOBO disse…
Em Itália queimam livros noutros lugares tentam amordaçar as nossas"bocas".
è uma nova forma de inquisição,
se vivessem noutras eras o que seriam? ou como lhe chamariam?
Anónimo disse…
reflexão:
O direito à liberdade de expressão inclui ou não o direito de queimar livros?
el s.
o Bobo disse…
Visto sobre essa perpectiva estritamente individual tem o caro anonimo anterior razãona sua reflexão.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975